nsc

publicidade

Detenção

Desativação do Presídio Regional de Blumenau não está descartada ou adiada

Reformas na estrutura do prédio custaram cerca de R$ 369 mil

27/01/2017 - 08h18 - Atualizada em: 27/01/2017 - 08h29

Compartilhe

Por Redação NSC
(Foto: )

Quando foi inaugurada, a penitenciária não era apenas uma nova e mais moderna ferramenta para o sistema carcerário, era também a aposta de dias melhores para o Presídio Regional de Blumenau, a unidade que já ostentou o título de pior do Estado e que, por muito tempo, manteve os detentos em condições desumanas. Quando as transferências terminaram, 331 presos tinham mudado de endereço, para a Ponta Aguda, o que já iniciou algumas mudanças.

No último ano o presídio passou por uma série de reformas. Galerias receberam pintura e, em alguns casos, reestruturação total, incluindo troca de piso, rede elétrica e móveis. A cozinha também foi reformulada e começou a operar esta semana, enquanto o campo de futebol recebeu piso e uma cobertura.

Leia também

:: Um ano depois da inauguração, Penitenciária de Blumenau tem 584 presos

:: Por que a nova penitenciária é considerada a solução ao Presídio Regional de Blumenau

:: Penitenciária de Blumenau será inaugurada

De acordo com o gerente do presídio, Daniel de Sena, que coordena a unidade desde março de 2016, as reformas custaram cerca de R$ 369 mil e os recursos são da Secretaria de Estado de Justiça e Cidadania, viabilizados por meio da Agência de Desenvolvimento Regional. Fazem parte da manutenção necessária para a unidade funcionar de forma correta, e não significam que o fechamento do presídio em 2018, prazo anunciado anteriormente, tenha sido adiado.

- Essas melhorias cumprem determinações de como a unidade tem que ser. É uma casa, você não vai deixar cair tudo só porque sabe que vai sair. Enquanto estiver funcionando tem que estar da melhor forma possível - afirma.

Confira

:: Detento mata colega de cela na Penitenciária de Blumenau

:: Deap bloqueia acesso à Penitenciária de Blumenau após tumulto

Deixe seu comentário:

publicidade