publicidade

Cotidiano
Navegue por

Mercado de trabalho

Desemprego sobe para 12,7% em março e atinge 13,4 milhões de brasileiros 

Segundo o IBGE, número de subutilizados atingiu o recorde de 28,3 milhões de pessoas. 

30/04/2019 - 10h03 - Atualizada em: 30/04/2019 - 10h09

Compartilhe

Por Folhapress
(Foto: )

No primeiro trimestre sob o governo Jair Bolsonaro, a taxa de desemprego no Brasil foi de 12,7%, uma alta de 10,2% com relação ao trimestre encerrado em dezembro. Ao todo, 13,4 milhões de brasileiros procuraram emprego no período.

Já a taxa de subutilização da força de trabalho bateu recorde no primeiro trimestre. Segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), o índice chegou a 25%. Isso significa que 28,3 milhões de brasileiros não trabalharam ou trabalharam menos do que gostariam no período. É o maior número desde o início da série histórica da Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio) Contínua, iniciada em 2012. Na comparação com o trimestre encerrado em dezembro, houve alta de 5,6%, ou 1,5 milhão de pessoas.

Nos últimos três meses, segundo a pesquisa, 1,2 milhão de pessoas a mais passaram a procurar emprego no país. Com relação ao mesmo trimestre de 2018, quando a taxa de desemprego estava em 13,1%, houve estabilidade, segundo entende o IBGE.

O número de pessoas desalentadas, que desistiram de procurar emprego, cresceu 3,9% no trimestre, chegando a 4,8 milhões. A taxa de desalentados, de 4,4%, também foi recorde no trimestre.

No início do mês, Bolsonaro questionou a metodologia da pesquisa, que considera desempregado a pessoa que procurou emprego no período em análise. "É uma coisa que não mede a realidade", disse o presidente, em entrevista à TV Record.

Na ocasião, o IBGE respondeu que a metodologia segue recomendações da OIT (Organização Internacional do Trabalho). As críticas geraram no mercado preocupações sobre possível intervenção política no órgão.

A renda do trabalhador se mantem estável desde o segundo trimestre de 2017. Segundo o IBGE, o trabalhador brasileiro teve renda média de R$ 2,291 nos primeiros três meses de 2019.

Deixe seu comentário:

publicidade

Navegue por
© 2018 NSC Comunicação
Navegue por
© 2018 NSC Comunicação