nsc
dc

Menos otimista

Diminui a confiança dos consumidores em Chapecó 

Queda foi de 5,7% em relação a janeiro

06/02/2020 - 17h39

Compartilhe

Darci
Por Darci Debona

Depois de chegar a 102 pontos em dezembro e janeiro, numa escala de 0 a 200, a confiança do consumidor chapecoense caiu 5,78% e chegou a 96,49 pontos em fevereiro, segundo pesquisa realizada pelo curso de Ciências Econômicas da Unochapecó e Sindicado do Comércio da Região de Chapecó (Sicom).

De acordo com a coordenadora da pesquisa sobre o Índice de Confiança do Consumidor, a professora Cássia Ternus, a queda é normal no período, quando chegam ao fim efeitos de rendas extras como 13º salário, férias e até a liberação de parte do FGTS.

- De modo geral, me parece um alinhamento entre expectativa e realidade. No final do ano normalmente infla as expectativas dos consumidores. Fatores microeconômicos (individuais dos agentes) como antecipação dos salários de fevereiro (caso já tenha sido parcial ou totalmente consumido) e o término dos contratos temporários do final de ano podem explicar essa queda. Fatores macroeconômicos, a inflação um pouco elevada também pode explicar. Pela nossa base de dados, a redução no mês de fevereiro é normal, não aconteceu em fevereiro de 2019 possivelmente porque as expectativas ainda estavam grandes com a mudança de governo, ainda assim em 2019 a variação foi pequena e em março houve uma queda acentuada – disse a professora.

Ela ressaltou que, mesmo com a queda, a pontuação ainda é maior do que a média de 2019. Nos meses de maio e junho o índice chegou na casa dos 90 pontos. Abaixo de 100 pontos o índice já é considerado de desconfiança. Para a pesquisa foram entrevistadas 130 mulheres e 116 homens entre os dias 15 e 28 de janeiro.

Colunistas