nsc

    Economia

    Diretoria do Avaí confirma redução de salários no clube em até 50%

    Atletas terão uma diminuição de 25% em seus vencimentos

    11/05/2020 - 18h08

    Compartilhe

    Janniter
    Por Janniter de Cordes
    Amaro Lúcio da Silva e Luis Fernando Funchal participaram da entrevista desta segunda-feira
    Amaro Lúcio da Silva e Luis Fernando Funchal participaram da entrevista desta segunda-feira
    (Foto: )

    O presidente em exercício do Avaí, Amaro Lúcio da Silva, anunciou na tarde desta segunda-feira (11) a redução salarial para os colaboradores do clube. A medida afeta a área do futebol que terá uma redução de 25% e os funcionário que terão uma diminuição de 50% nos seus vencimentos. A redução será por um período de 90 dias. O dirigente ainda informou que os profissionais das categorias de base terão seus contratos suspensos por dois meses.

    Por conta da pandemia da Covid-19, a economia no país vem sofrendo bastante e a diretoria do Avaí trabalhou ao máximo para evitar a redução salarial, mas não obteve êxito. Amaro Lúcio da Silva confirmou as reduções. “A diretoria fez um esforço muito grande para que não tivéssemos que tomar a atitude que tomamos, mas infelizmente pelas razões que todos nós conhecemos, com a redução das receitas em todos os setores, o clube se viu na iminência de ter que tomar uma atitude”, disse.

    O dirigente explicou que se reuniu com atletas, comissão técnica e funcionários para fazer o comunicado. “Tivemos uma reunião com os atletas e a comissão técnica e fizemos a comunicação que em um período de 90 dias vamos reduzir os salários em 25 %. Também nos reunimos com todos os funcionários e com base na medida provisória 936 que permite, por um período, a redução dos salários e comunicamos aos servidores que haverá uma redução de 50% nos seus vencimentos, mas haverá uma medida compensatória para que o prejuízo para o colaborador seja o menor possível”, explicou Amaro Lúcio da Silva, que ainda informou que atletas e servidores que ganham até R$3 mil não serão afetados com a medida.

    O dirigente ainda informou que por conta do atual momento e vendo que ainda não há uma previsão de data para a volta dos jogos das categorias de base, a direção resolveu suspender os contratos dos profissionais da base por um período de 60 dias, como prevê a medida provisória.

    Com a pandemia no país, futebol parado, clubes sem receitas, redução salarial para atletas e funcionários, o presidente em exercício foi questionado se existe a possibilidades de demissões, mas Amaro garantiu que o clube não trabalha com esta hipótese. “Nós tomamos esta decisão para evitar duas coisas que são pilares na administração do presidente Battistotti, não atrasar salários e evitar demissão. Então, não está em pauta a demissão (de funcionários)”, finalizou o dirigente.

    Ouça a entrevista no programa CBN Especial

    Colunistas