nsc

publicidade

Política

Discurso de Bolsonaro sobre Amazônia passa ideia de apoio ao desmatamento, diz Maia 

Presidente da Câmara dos Deputados afirmou, porém, não crer que o governo dê "qualquer incentivo a esses criminosos"

24/08/2019 - 19h47

Compartilhe

Por Folhapress
Jair Bolsonaro
Rodrigo Maia disse que a forma radical como o presidente Bolsonaro tem se comunicado pode ter agravado a relação com governos internacionais
(Foto: )

*Por Mayara Bandeira

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou neste sábado (24), em Vitória (ES), que o presidente Jair Bolsonaro (PSL) mudou o discurso que vinha fazendo sobre a crise ambiental no país ao afirmar tolerância zero às queimadas na Amazônia.

Ele disse que o discurso "radical" do presidente pode ter passado a ideia de apoio ao desmatamento, mas afirmou não crer que o governo dê "qualquer incentivo a esses criminosos".

— O que o presidente da República diz é muito forte, tem peso. O que eu digo talvez não tenha a mesma força. Então, por isso, temos que compreender que muitas vezes o que falamos tem um impacto muito maior do que a gente imagina. Uma verbalização malfeita pode gerar grandes crises. Quando vocaliza polemizando no tema, qual impressão que dá? Que há algum tipo de apoio. Acho que o presidente certamente percebeu isso e ontem fez um discurso reafirmando a tolerância zero. E tem que ser mesmo — afirmou Maia.

A declaração foi feita durante o Consórcio de Integração Sul e Sudeste (Cosud), no Palácio Anchieta, sede do governo do Espírito Santo, onde se reuniram governadores das duas regiões para discutir sobre investimentos nos Estados brasileiros.

Maia reconheceu que a forma radical como o presidente tem se comunicado pode ter agravado a relação com governos internacionais.

— O presidente compreendeu que está passando uma sinalização de algo que talvez ele não esteja fazendo, que é estimular as queimadas — disse o presidente da Câmara.

— Todo discurso mais radical a alguma instituição do estado democrático de direito, quando se polemiza da forma que o presidente fez nos últimos dias, em relação às queimadas, acaba gerando uma insegurança — completou, referindo-se a acusações do presidente da República contra ONGs e movimentos ambientais.

Leia também: Moradores de Florianópolis batem panela durante pronunciamento de Bolsonaro

Na quarta (21), Bolsonaro disse, sem apresentar qualquer evidência, que ONGs estariam por trás das queimadas na floresta.

— Quando ele questiona um dado e diz que eles estão errados e acusa outras pessoas por essas ações criminosas, ele sinaliza que pode estar dando um apoio, que eu acredito não existir — frisou.

Veja também: Fotos aéreas mostram a crise de queimadas na Amazônia

Maia afirmou que entende as preocupações de países europeus com relação às queimadas na Amazônia, mas pediu diálogo antes da discussão sobre possíveis sanções contra o Brasil.

— Nossa relação com a União Europeia é histórica, qualquer retaliação vai gerar talvez um conflito grande e histórico. É preciso diálogo neste momento. Eles têm razão na preocupação, mas caminhar para sanções mais duras sem o Brasil ter tomado ainda qualquer atitude concreta, é precipitado — disse.

No mesmo evento, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), afirmou que o avanço do Brasil com a reforma da Previdência está sendo neutralizado com um "passo gigantesco" nas questões ambientais.

— O Brasil deu um passo gigantesco em relação à reforma da Previdência e um passo enorme para trás nas questões ambientais, neutralizando um projeto tão importante como este da Previdência — afirmou.

Dória fez duras críticas e avaliou que o desgaste com a crise ambiental no país pode comprometer ainda mais os projetos de investimentos que estão sendo traçados para o Brasil.

— Uma imagem desgastada do país impacta diretamente nos investidores. Não é uma questão só dos governos brasileiros, mas de relações internacionais. Fechar as portas para o mercado brasileiro significa matar a economia do país — ressaltou o governador de São Paulo.

— Não se pode misturar partidarismo e ideologia com meio ambiente. Aliás, esse termo precisa e merece ter o respeito de todos nós, além da nossa solidariedade. Dar um passo para trás neste momento delicado é prova de esperteza e humildade.

Ainda não é assinante? Assine e tenha acesso ilimitado ao NSC Total, leia as edições digitais dos jornais e aproveite os descontos do Clube NSC.

Deixe seu comentário:

publicidade