A Diretoria de Vigilância Epidemiológica (Dive/SC) investiga a morte de duas crianças da mesma creche em Criciúma, no Sul do Estado, por suspeita de meningite.

Continua depois da publicidade

O primeiro caso aconteceu na manhã desta segunda-feira (23). Um bebê de sete meses morreu após dar entrada no hospital com febre alta. Na manhã desta terça (24), um menino de um ano e cinco meses de idade, que frequentava a mesma creche que o bebê, também faleceu.

Segundo a Dive/SC, a primeira criança apresentou sintomas muito característicos de meningite bacteriana, sendo essa a principal suspeita da causa da morte. O caso do outro menino também teve sintomas característicos de meningite, mas gerou mais dúvidas.

A confirmação da causa da morte das duas crianças só será possível com o resultado dos exames encaminhados ao Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen/SC), que devem ficar prontos entre cinco e 10 dias.

Ainda de acordo com a Dive/SC, os dois meninos estudavam em salas diferentes da instituição. O órgão também informou que todas as medidas preventivas já foram tomadas, envolvendo a medicação das crianças e adultos que tiveram contato com os meninos, e ressaltou que não há motivo para pânico.

Continua depois da publicidade

— O que muda agora com o segundo caso, outro óbito que nos entristece, são as ações de vigilância. Ao invés de medicar somente as crianças da mesma classe e quem teve contato, serão todos os alunos, professores e familiares — afirmou à NSC TV a coordenadora da Vigilância Epidemiológica de Criciúma, Michele Hilário.

A creche onde as crianças estavam matriculadas é mantida por uma associação de assistência social. Em nota, a associação informou que decidiu manter o centro de educação infantil fechado por tempo indeterminado.

Sobre a meningite

A meningite é um processo inflamatório das meninges, membranas que envolvem o cérebro e a medula espinhal. É uma doença contagiosa que pode ser causada por vírus, bactérias, fungos, entre outros agentes infecciosos. Também pode ser causada por agentes químicos, como medicamentos.

A forma viral da doença costuma ser caracterizada, em sua maioria, por um quadro clínico benigno, isto é, menos grave. Geralmente, não há tratamento específico e a maioria dos pacientes se cura sem sequelas. Já a meningite bacteriana costuma ser mais grave e, dependendo dos casos, pode levar o paciente à morte em algumas horas após o aparecimento dos sintomas.

Continua depois da publicidade

Transmissão

Nem toda meningite é transmissível, mas dentre as transmissíveis o contágio se dá, geralmente, por gotículas e secreções do nariz e da garganta. Por isso, os casos da doença costumam aumentar nos meses de frio. Tosse, espirro, beijo e compartilhamento de itens pessoais podem transmitir as meningites.

Sintomas

A Dive/SC diz que é preciso ficar atento aos sintomas da meningite, para evitar que a doença progrida e chegue ao ponto de matar o paciente. Todas as crianças acima de 1 ano de idade e adultos que apresentem febre, dor de cabeça, vômitos, rigidez da nuca e outros sinais de irritação meníngea, convulsões e/ou manchas vermelhas no corpo devem ser considerados casos suspeitos. Nessas situações, é necessário procurar ajuda médica imediatamente.

Já os serviços de saúde que receberem algum caso suspeito devem comunicar as autoridades competentes imediatamente, para que sejam realizadas medidas que evitem a proliferação da doença em outras pessoas.

Além disso, há uma série de vacinas que podem evitar o contágio dos diversos tipos de meningite. Todas estão disponíveis nas unidades básicas de saúde do Estado, de forma gratuita.

Continua depois da publicidade

Destaques do NSC Total