nsc

publicidade

Exagero?

"Eles mataram o meu filho doente", diz mãe de homem com esquizofrenia morto pela polícia em Palhoça

Anderson de Matos, 32 anos, tinha diagnóstico de esquizofrenia desde os 19 e estava sendo levado pelo Samu para internação compulsória na Colônia Santana

23/07/2015 - 14h27 - Atualizada em: 23/07/2015 - 14h35

Compartilhe

Por Redação NSC

Dona Lolita de Matos acordou triste na manhã desta quinta-feira em sua casa na rua Albertina Maria de Quadros, no bairro Aririú, em Palhoça. Na companhia de dois de seus quatro filhos, ela preparou o café da manhã enquanto aguardava a chegada da oficial de justiça que levaria o mais velho deles, Anderson de Matos, 32 anos.

Homem é morto em Palhoça após polícia ser chamada para auxílio em internação compulsória

A partir do pedido da própria família, o homem seria internado pela 14ª vez no Hospital Psiquiátrico Colônia Santana, em São José, devido à esquizofrenia - doença psiquiátrica que o acompanha desde os 19, quando voltou do colégio falando que iria se enforcar.

A mãe ainda lembra que o filho ficou internado por três meses até o dia 19 de maio, quando recebeu alta. A família percebeu que o jovem não estava bem, não aceitava o tratamento e tampouco tomava todos os remédios receitados.

- Ele sabia que era doente, mas sempre resistia à internação. A polícia sempre tinha que ajudar - explica dona Lolita.

Acompanhe as últimas notícias da Grande Florianópolis

Leia as últimas notícias de Polícia

PM foi chamada para ajudar mas...

Na manhã de ontem, a Polícia Militar foi chamada pelo Samu para auxiliar na internação compulsória de Anderson, mas não ajudou. Quando o homem percebeu a chegada da oficial de justiça, médicos e policiais, assustou-se e fugiu. Correu o mais rápido que pôde até o fim da rua de barro. Segundo Sabrina, uma de suas irmãs, ele pegou uma barra de ferro para defender-se.

- Ele estava violento, mas não vi nada acontecer. Os policiais correram atrás dele - conta.

No momento em que Anderson estava quase chegando a um riacho, foi atingido por um disparo fatal. Morreu ali mesmo.

- Eles mataram o meu filho doente. Por quê? Ele não precisava disso. Precisava era de tratamento - diz aos prantos a mãe.

O enterro deve acontecer no cemitério de Santo Amaro da Imperatriz, município de origem da família De Matos.

Vão apurar se houve abuso

Por meio do setor de Comunicação Social, a Polícia Militar informou que foi chamada para prestar apoio e garantir a segurança do oficial de justiça. Também disse que Anderson demonstrou comportamento agressivo com os pais e, inclusive, com os policiais. Segundo o Major Pilonetto, os policiais alocados na ocorrência tentaram verbalizar e, diante da negativa, utilizaram armas não-letais: disparos de balas de borracha e eletrochoque.

Na sequência, a PM informa que "para guardar a vida dos envolvidos, foi utilizado disparo de contenção [de fogo]". Não soube precisar o número de tiros, apenas confirmou que Anderson veio a óbito no local. A PM também não confirmou se os policiais envolvidos nessa ocorrência já haviam participado de outro atendimento a Anderson.

O caso foi encaminhado para a Delegacia de Polícia de Palhoça, onde os policiais envolvidos prestaram depoimento nesta tarde. Também será aberto inquérito na Corregedoria da Polícia Militar para apurar se houve abuso nesse caso.

Deixe seu comentário:

publicidade