nsc
dc

Suspeita de fraude

Empresa que forneceu cartuchos falsificados à Alesc é alvo de operação policial no Paraná

Assembleia identificou a fraude antes de fazer o pagamento da compra, que custaria R$ 132 mil

13/07/2021 - 17h56

Compartilhe

Por Luana Amorim
Responsável pela empresa foi interrogada pela polícia nesta terça-feira (13)
Responsável pela empresa foi interrogada pela polícia nesta terça-feira (13)
(Foto: )

Uma empresa do Paraná é investigada por fornecer à Assembleia Legislativa de Santa Catarina (Alesc) cartuchos de toner falsificados para impressoras. O pagamento seria de R$ 132 mil, porém foi cancelado imediamente após a descoberta da fraude, segundo o Poder Legislativo. Nesta terça-feira (13), a Polícia Civil cumpriu dois mandados de busca e apreensão contra o estabelecimento nas cidades paranaenses de Maringá e Marilena.

> Receba notícias de Florianópolis e região pelo WhatsApp

De acordo com a polícia, a Alesc realizou um pregão eletrônico para a compra dos produtos. A empresa vencedora, então, encaminhou o material para a Assembleia que, após análise da Coordenadoria de Suporte e Manutenção, percebeu que os produtos não eram originais.

Suspeitando de uma possível fraude à licitação, a Alesc acionou a Delegacia Especializada de Defraudações (DD/DEIC) para a apurar a situação. A compra não chegou a ser paga pela Alesc, já que o órgão adotou a rotina de verificação antes do pagamento.

Durante a investigação, a polícia percebeu que a empresa estava sedida em um endereço falso. Ou seja, eles repassaram que a sede ficava na casa de uma terceira pessoa, que não tinha sequer conhecimento da fraude. 

A responsável pela empresa foi interrogada nesta terça-feira, mas, segundo o delegado Luis Felipe Fuentes, ela ficou em silêncio durante o depoimento. Depois, foi liberada. Ela pode responder por crime de fraude à licitação, com pena de 4 a 8 anos de prisão. 

Leia também: 

Avó se nega a ficar com netas vítimas de maus-tratos em Balneário Camboriú

Florianópolis está há oito dias sem mortes por coronavírus

Conheça as praias de SC que podem ser afetadas pela exploração de Petróleo

Colunistas