nsc

publicidade

Operação Concutare

Engenheiro ambiental é preso em Florianópolis pela Polícia Federal

Até o momento, 18 pessoas foram detidas na operação que envolve crimes ambientais

29/04/2013 - 06h53 - Atualizada em: 29/04/2013 - 10h43

Compartilhe

Por Redação NSC

A Polícia Federal confirmou na manhã desta segunda-feira que cumpriu mandado de busca e prisão de um engenheiro ambiental de Florianópolis, suspeito de ter praticado crimes ambientais. Até as 9h30min, ele era o único preso na Operação Concutare em Santa Catarina. No Rio Grande do Sul, onde operação também foi realizada nesta madrugada, 18 pessoas foram presas, entre elas o secretário estadual do Meio Ambiente, Carlos Niedersberg.

Saiba Mais:

Governador do Rio Grande do Sul afasta secretário do Meio Ambiente

Prefeito de Porto Alegre afasta o secretário de Meio Ambiente

Secretários do Meio Ambiente são presos em operação da Polícia Federal

Ex-vereador de Porto Alegre explica confusão com seu nome na operação

A Polícia Federal confirmou, até a metade desta manhã, apenas as iniciais do engenheiro preso em Florianópolis. J.M.M é morador da rua Altamiro Guimarães, no Centro de cidade. Até as 9h30min, o governador do Estado, Raimundo Colombo, o presidente da Fatma, Gean Loureiro, e o prefeito da Capital, Cesar Souza Junior, informaram que não receberam nenhum comunicado da polícia a respeito da operação e da prisão do engenheiro. O governador detalhou também que o profissional não trabalha para o governo estadual.

A operação Concutare foi deflagrada com o objetivo de reprimir crimes ambientais, crimes contra a administração pública e lavagem de dinheiro nos estados do Rio Grande do Sul e Santa Catarina.

No estado gaúcho, já foram presos o secretário estadual do Meio Ambiente, Carlos Niedersberg, o secretário municipal do Meio Ambiente, Luiz Fernando Záchia e o ex-secretário do Meio Ambiente Berfran Rosado em um total de 18 pessoas detidas até o momento.

Em coletiva, marcada para as 10h desta segunda-feira, delegados da Polícia Federal darão mais detalhes da operação. As ordens judiciais estão sendo cumpridas nos municípios de Porto Alegre, Taquara, Canoas, Pelotas, Caxias do Sul, Caçapava do Sul, Santa Cruz do Sul, São Luiz Gonzaga, no Rio Grande do Sul, e em Florianópolis, Santa Catarina.

A operação iniciou em junho de 2012 e identificou um grupo criminoso formado por servidores públicos, consultores ambientais e empresários. Os investigados atuam na obtenção e na expedição de concessões ilegais de licenças ambientais e autorizações minerais junto aos órgãos de controle ambiental.

Leia na íntegra a nota dilvugada pela Polícia Federal sobre a operação Concutare:

"Porto Alegre/RS - A Polícia Federal deflagrou na manhã de hoje, 29 de abril, a Operação Concutare, com o objetivo de reprimir crimes ambientais, crimes contra a administração pública e lavagem de dinheiro.

A operação iniciou em junho de 2012 e identificou um grupo criminoso formado por servidores públicos, consultores ambientais e empresários. Os investigados atuam na obtenção e na expedição de concessões ilegais de licenças ambientais e autorizações minerais junto aos órgãos de controle ambiental.

Cerca de 150 policiais federais participam da Operação para executar 29 mandados de busca e apreensão e de prisão temporária expedidos pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região. As ordens judiciais estão sendo cumpridas nos municípios de Porto Alegre, Taquara, Canoas, Pelotas, Caxias do Sul, Caçapava do Sul, Santa Cruz do Sul, São Luiz Gonzaga, no Rio Grande do Sul, e em Florianópolis, Santa Catarina.

A operação foi denominada Concutare, termo com origem no latim, que significa concussão. Os investigados serão indiciados por corrupção ativa e passiva, falsidade ideológica, crimes ambientais e lavagem de dinheiro, conforme a participação individual de cada envolvido.

As investigações foram conduzidas pela Delegacia de Repressão a Crimes contra o Meio Ambiente e ao Patrimônio Histórico (DELEMAPH) e pela Unidade de Desvios de Recursos Públicos da Polícia Federal no Rio Grande do Sul".

Deixe seu comentário:

publicidade