nsc

publicidade

Joinville que Queremos

Engenheiros desenvolvem projeto de educação ambiental em Joinville

Parceria entre ONG e escola municipal deve colaborar com a Agenda 2030 da ONU

05/10/2017 - 03h10 - Atualizada em: 21/06/2019 - 22h34

Compartilhe

Por Redação NSC
Em parceria com alunos, ONG Engenheiros Sem Fronteiras desenvolve Projeto Escola Eficiente
Em parceria com alunos, ONG Engenheiros Sem Fronteiras desenvolve Projeto Escola Eficiente
(Foto: )

Dedicado a transformar a sociedade por meio da engenharia, um grupo de estudantes e profissionais tem desenvolvido um projeto com alunos da Escola Júlio Machado da Luz, no bairro Nova Brasília, na zona Oeste de Joinville. Desde 2015, os voluntários do núcleo joinvilense da ONG Engenheiros Sem Fronteiras (ESF) têm trabalhado no Projeto Escola Eficiente, que já chegou à terceira e última fase. Entre os objetivos do projeto estão a redução da quantidade lixo orgânico, a economia de energia elétrica e de água e a conscientização sobre temas ligados ao meio ambiente.

A parceria entre a escola localizada na rua Jativoca e o núcleo de voluntários começou por meio de um projeto do Rotaract, no ano seguinte à criação do núcleo na cidade. O projeto na escola está na última fase, que é a etapa que tem o objetivo de reduzir o consumo de água. Com a instalação de sistema para reutilização da água da chuva, o objetivo é reduzir o consumo em 30%, explicam os voluntários.

Leia as últimas notícias de Joinville e região

Bianca Particheli, de 25 anos, diretora-geral do núcleo da ESF em Joinville, explica que este projeto também vai colaborar com a Agenda 2030 da Organização das Nações Unidas (ONU). Quando o projeto estiver funcionando na sua totalidade, ela diz, a escola pode ter uma economia de aproximadamente 19 mil litros de água por mês. Em um ano, a economia pode chegar a mais de 200 mil litros de água.

– É algo bem significativo. Recentemente, a cidade passou por um período de estiagem bem grave. Nós, joinvilenses, temos tanta água, que não estamos acostumados a racionalizar. Esse trabalho implantado aqui na escola não é um exemplo apenas para os alunos, ele também é um grande exemplo para o município – destaca Bianca, que cursa engenharia civil na Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc).

Para a universitária Bianca Particheli, projeto é "um grande exemplo para o município"
Para a universitária Bianca Particheli, projeto é "um grande exemplo para o município"
(Foto: )

O núcleo já colaborou com a criação de hortas e composteiras na escola, instalação de um sistema de energia fotovoltaica e a realização de palestras ambientais com alunos e servidores. As placas fotovoltaicas foram doadas pelo Instituto GM e a instalação foi feita gratuitamente pela empresa Ecoa Energias Renováveis.

– Aqui na escola, a gente consegue abranger alunos desde o ensino infantil até a quinta série. Estamos ensinando para eles a prática de conscientização do uso dos recursos naturais – explica a engenheira química e voluntária Michele Roberta Fischer, de 37 anos, que lidera a etapa atual do projeto. De acordo com Michele, sete voluntários da ESF estão envolvidos no projeto.

Bianca, Giovani e Michele integram o núcleo joinvilense da ONG Engenheiros Sem Fronteiras
Bianca, Giovani e Michele integram o núcleo joinvilense da ONG Engenheiros Sem Fronteiras
(Foto: )

O núcleo joinvilense da organização conta com 38 membros na cidade, entre estudantes e profissionais formados, que se dedicam a outros projetos sociais na cidade. Apesar de a ONG utilizar conhecimentos da engenharia como foco para a realização dos trabalhos, todas as áreas profissionais são abordadas. Assim, não é necessário ser engenheiro para ser integrante do núcleo.

Em três anos, a equipe já desenvolveu projetos voltados para as áreas de engenharia agronômica, ambiental e elétrica, além de atividades relacionadas à educação, por meio de palestras em escolas e universidades.

Diretora da escola garante que todo projeto é acompanhado pelos alunos
Diretora da escola garante que todo projeto é acompanhado pelos alunos
(Foto: )

Todo o projeto é acompanhado pelos alunos, garante Vanessa Triervailer de Souza, diretora da Escola Júlio Machado da Luz, que tem 225 estudantes.

– Uma das nossas premissas é de que os projetos tenham o envolvimento da comunidade. Desde que começamos, a ideia era transformar a escola num modelo, tanto para a cidade quanto para o Estado – afirma o engenheiro civil e voluntário Giovani Wolff Sfreddo, de 27 anos, que é um dos fundadores do núcleo em Joinville e agora ajuda a fundar um núcleo em Florianópolis.

De acordo com a Prefeitura de Joinville, 84 escolas e 68 CEIs contam com hortas pedagógicas
De acordo com a Prefeitura de Joinville, 84 escolas e 68 CEIs contam com hortas pedagógicas
(Foto: )

De acordo com a Prefeitura de Joinville, 15 escolas municipais e 40 centros de educação infantil (CEIs) têm sistema de captação da água da chuva e 84 escolas e 68 CEIs contam com hortas pedagógicas.

ONG busca recursos para conclusão do projeto

Quem quiser contribuir com o Projeto Escola Eficiente pode acessar a campanha pelo site www.benfeitoria.com/escolaeficiente. As doações são destinadas à compra de materiais como caixa-d'água, bombas e tubulação. Quem quiser doar materiais pode entrar em contato com a diretora da ESF pelo telefone (47) 99970-4304 ou com a direção da escola, pelo telefone (47) 3454-0878. Os doadores receberão recompensas, de acordo com os valores doados. As recompensas vão desde uma carta de agradecimento até a confecção de uma placa especial que será afixada no colégio.

– Gostamos muito de lembrar quem faz o bem. Todos que ajudarem serão lembrados – diz Bianca. A campanha de financiamento coletivo encerra-se no dia 31 de outubro.

Quem quiser saber mais sobre a ESF ou integrar a ONG pode acessar o site joinville.esf-brasil.org ou entrar em contato pelo telefone (47) 99970-4304 ou enviar um e-mail para joinville@esf-brasil.org.

Deixe seu comentário:

publicidade