publicidade

Cotidiano
Navegue por

Meio ambiente 

Entenda como foi a segunda-feira de combate ao incêndio em mata na Rua 7 de Setembro, em Blumenau 

Bombeiros usaram drones, protegeram edificações, tentaram usar helicóptero e combatiam chamas com batedores até o fim da tarde desta segunda-feira 

10/12/2018 - 18h04 - Atualizada em: 10/12/2018 - 22h49

Compartilhe

Jean
Por Jean Laurindo
Talita
Por Talita Catie
Bombeiros trabalham para controlar chamas que se espalham por vegetação
Bombeiros trabalham para controlar chamas que se espalham por vegetação
(Foto: )

Blumenau registrou uma série de incêndios de vegetação entre o domingo e o fim da tarde desta segunda-feira. O caso que mais chamou a atenção começou no fim da manhã, por volta das 11h30min, em uma área de mata nos fundos de um boliche e em frente à Catedral São Paulo Apóstolo, na Rua 7 de Setembro, no Centro.

Incêndio em vegetação atinge mata próximo à Catedral no Centro de Blumenau

Caminhões são usados para combater chamas pelo lado do Bom Retiro

O Corpo de Bombeiros atuou com 15 bombeiros e seis viaturas no local e permanecia em operação até o fim da tarde. Equipes de Gaspar e Timbó reforçavam o efetivo. Até as 16h30min, os bombeiros não confirmavam a área total atingida, mas a estimativa inicial era de que os focos de incêndio se concentravam em uma área de 20 mil metros quadrados. Até as 14h, a previsão era de que já tivessem sido usados cerca de 100 mil litros de água. Os bombeiros ainda não sabem o que motivou o início do incêndio.

O trânsito ficou bloqueado parcialmente na Rua 7 de Setembro e quem passava pelo local ou pela área central fazia fotos da área queimada e da fumaça que persistia na região. No Neumarkt Shopping, o dia foi de movimentação com pessoas observando o trabalho dos bombeiros e os focos do incêndio na lateral do estabelecimento.

Segundo o sargento Airton Cesar Schmits, do Corpo de Bombeiros, o caso se trata de incêndio em vegetação rasteira não nativa. Não há suspeita do que possa ter causado, mas o tempo seco e o período sem chuvas seria o principal fator que facilitaria esse tipo de incêndio em vegetação.

Na primeira hora de combate ao incêndio, o trabalho dos bombeiros esteve focado em proteger as edificações na região em que ainda havia focos do incêndio. Depois das 13h, a situação foi controlada e os bombeiros descartaram o risco de o fogo chegar aos fundos das lojas da Rua 7 de Setembro. Embora alguns funcionários das lojas continuassem a resfriar a encosta do morro com mangueiras de jardim, o capitão Filipe Daminelli explicou que a situação naquele ponto estava controlada e que o próprio relevo acidentado da parte de baixo do morro serviria como barreira para impedir que o fogo avançasse e atingisse os estabelecimentos.

Bombeiros usaram batedores em área de mata fechada
Bombeiros usaram batedores em área de mata fechada
(Foto: )

A partir das 13h, o trabalho passou a tentar evitar que o fogo se alastrasse em direção ao Parque São Francisco, área de preservação ambiental aos fundos do Shopping Neumarkt. Além da vegetação que favorece a proliferação das chamas, o vento, figura que costuma ser rara no clima de Blumenau, soprava justamente naquela direção, impulsionando o fogo. Quatro caminhões dos bombeiros se posicionaram na rua lateral do shopping para evitar que o fogo chegasse até próximo da rua.

No entanto, os principais focos de incêndio estavam na área mais alta do morro, em região de mata fechada, onde as equipes não conseguiam mais acessar com auxílio das viaturas - que, por isso, permaneceram a maior parte da tarde sendo pouco utilizadas no controle da situação. A primeira estratégia foi acionar o helicóptero Arcanjo 01, de Florianópolis, para conter as chamas jogando água pelo ar – o Arcanjo 03 está parado para manutenção.

Aeronave sobrevoou local, mas não foi usada para conter chamas

Aeronave de Florianópolis foi acionada, mas não pôde ajudar no combate às chamas
Aeronave de Florianópolis foi acionada, mas não pôde ajudar no combate às chamas
(Foto: )

A aeronave chegou à cidade por volta das 14h, mas não foi utilizada no combate ao fogo. Isso porque o único local para buscar água seria o Rio Itajaí-Açu e, dessa forma, o helicóptero precisaria sobrevoar edificações na região central, com água armazenada em uma bolsa com capacidade para 500 quilos. Como havia risco que essa água caísse sobre edificações, automóveis ou pessoas pelo caminho, a ideia foi abortada.

A estratégia a partir de então passou a ser o controle manual dos focos de incêndio com uso de batedores de fogo – espécie de vassoura com tiras de borracha usada para abafar as chamas. Inicialmente, cinco bombeiros acessaram a mata pela região do Parque São Francisco para fazer este controle. Por volta das 16h, equipes de Gaspar também se juntaram ao trabalho. Desde o início da ocorrência os bombeiros também usaram drones para monitorar para que região o fogo se alastrava.

Funcionários ajudaram a controlar chamas

Funcionários de empresa ajudaram a evitar que fogo se alastrasse para perto das construções
Funcionários de empresa ajudaram a evitar que fogo se alastrasse para perto das construções
(Foto: )

Funcionários da empresa Posthaus, que fica perto do local em que o fogo começou, também ajudou a controlar as chamas com mangueiras da própria companhia. A intenção era evitar que o fogo se alastrasse para o lado e atingisse as edificações.

– A gente viu que o vento veio trazendo o fogo para cá e logo se alastrou. Meu medo era que chegasse aqui embaixo, nas lojas– conta Lars Ziegler, que ajudou a controlar o fogo com uma mangueira.

Preocupação era que fogo atingisse Parque São Francisco

Uma das preocupações que cresceu ao longo do dia era de que o fogo se estendesse até a região do Parque São Francisco. O gerente do parque, Vanderlei Balduzzi, acompanhou de perto o trabalho dos bombeiros para monitorar se havia risco de a área de preservação ser atingida, o que não ocorreu até as 17h.

Uma estrada existente no local era vista como uma possível barreira natural pra impedir o avanço das chamas. Mesmo assim, os bombeiros tentavam combater o fogo para evitar que ele atingisse a região de vegetação que faz parte do parque e fica antes da estrada.

A área do parque tem 21 hectares e, segundo o diretor, os animais que vivem na região também transitam até a área que foi parcialmente atingida pelo fogo nesta segunda-feira. Até as 17h30min, os bombeiros informaram que a área em que estavam os focos de incêndio ainda estava longe do parque.

Leia mais notícias em santa.com.br

Deixe seu comentário:

publicidade

Navegue por
© 2018 NSC Comunicação
Navegue por
© 2018 NSC Comunicação