O Museu Nacional de Imigração e Colonização de Joinville (MNIC) ganhou projeto de restauro e acessibilidade, iniciado em 2014 por uma empresa local e divulgado em julho do ano passado, quando a unidade de cultura completou 60 anos. Na época, já era necessário realizar um obra emergencial no alpendre lateral direito do casarão principal, construído em 1870.

Continua depois da publicidade

Localizado no segundo piso, em formato de varanda coberta, o alpendre já estava envergado e sendo mantido por estacas há mais de sete anos. Foi interditado e, depois de alguns anos, o sótão foi fechado pelo mesmo motivo. A obra, orçada em R$ 47 mil, foi concluída na penúltima semana de julho.

Agora, é necessário realizar uma drenagem no terreno, restaurar a casa principal e construir um anexo em dois pavimentos nos fundos do terreno. Das próximas etapas, a única que tem recursos financeiros garantidos é a construção do anexo, que depende da drenagem para ter início. Ele será erguido no local onde está o galpão usado para a exposição de meios de transporte.

– Essa edificação é um falso histórico, foi construída nos anos 2000, e, por isso, pode ser desmanchada – explica a educadora Elaine Martins.

O anexo tem um projeto moderno, para não ser confundido com parte do patrimônio histórico, e terá as condições de uso necessárias para as atividades que o museu demanda, com climatização: servirá como espaço expositivo, acervo técnico e sala de conservação e documentação, além de sala da administração.

Continua depois da publicidade

Atualmente, a sala da administração fica no sótão do Auditório Dona Francisca, no antigo “chalé da administração”, ao lado da casa principal. Já os serviços de limpeza, conservação e documentação são realizados em lugares adaptados dentro do espaço físico do museu, que não oferece condições para que estas tarefas sejam realizadas adequadamente.

A construção do anexo é avaliada em R$ 1,3 milhão, verba garantida com recursos do Ministério do Turismo. O restauro da casa principal foi orçado em R$ 1,7 milhão e está em fase de captação de recursos via Lei Rouanet. Há pelo menos uma década ela enfrenta problemas de vazamentos na cobertura, que precisa ser trocada, além de reparos pontuais.

O valor também inclui a obra de acessibilidade, com a instalação de um elevador externo que vai até o segundo e terceiro pavimento. A captação é realizada por meio da Associação de Amigos do Museu Nacional de Imigração e Colonização. A drenagem, que precisa ser feita antes das outras etapas, depende de verba da prefeitura no valor de R$ 80 mil, e não tem previsão para começar.

Leia mais:

Museu Nacional de Imigração e Colonização de Joinville não tem data para reabrir a visitação

Destaques do NSC Total