nsc

publicidade

Dia Nacional de Prevenção

Entenda o que é asma e conheça os sintomas e o tratamento

Doença crônica comum das vias aéreas merece mais atenção no inverno, propício ao surgimento de problemas respiratórios

21/06/2019 - 08h04

Compartilhe

Luan
Por Luan Martendal
Atleta Beatriz Zopellaro faz o uso da "bombinha de asma"
Beatriz Zopellaro é atleta e faz tratamento de controle da asma há um ano
(Foto: )

Esta sexta-feira, 21 de junho, marca o Dia Nacional da Prevenção à Asma, uma das doenças crônicas mais comuns das vias aéreas e que acomete mais de 20 milhões de brasileiros. Não por acaso, também nesta data tem início o inverno, estação mais propícia para o surgimento de problemas respiratórios devido ao clima frio e seco. A união desses fatores é um dos facilitadores das crises asmáticas, ocasionadas pela inflamação dos brônquios e redução da passagem de ar aos pulmões.

Tanto fatores ambientais como genéticos podem gerar ou agravar a Asma. Dentre as condições ambientais, por exemplo, estão a exposição à poeira, ácaros e fungos, além das variações climáticas e infecções virais. Já os fatores genéticos envolvem histórico familiar, rinite e outras alergias.

Em Joinville, conforme a médica pneumologista do Hospital Dona Helena, Carla Bartuscheck, o ambiente é oportuno para que a asma seja desencadeada. Isto por conta das condições climáticas da região - úmida e chuvosa - e também pela questão da exposição aos poluentes, principalmente em função das indústrias.

— Nessas condições, as pessoas têm mais propensão a ter doenças respiratórias — avalia.

A asma também não escolhe público e apesar de ter uma maior incidência na infância, dos quatro aos dez anos de idade, também pode aparecer na fase adulta, a partir dos 20 anos. Seja desencadeada por um processo infeccioso (incluindo idosos), seja por predisposição latente e que se desenvolve após um processo de infecção ou stress.

Vida normal

Beatriz Zopellaro nada em uma piscina na escola em que ela treina em Joinville
Beatriz Zopellaro é atleta é manteve as atividades mesmo com o diagnóstico de asma
(Foto: )

Tanto a questão emocional quanto física podem ter despertado a asma na joinvilense Beatriz Scherer Zopellaro, de 13 anos, acredita a família da adolescente. Ela apresentou os sintomas há cerca de um ano, quando seus pais decidiram investigar o que se tratava com auxílio médico.

Segundo o pai dela, Rosemiro Zopellaro, logo que o diagnóstico foi conhecido a menina passou a fazer o tratamento para prevenir as crises asmáticas e desde então faz uso da “bombinha de asma”. Outro grande aliado na recuperação tem sido o esporte.

— A Beatriz praticava natação antes de saber que tinha a doença e, inclusive, já teve crises durante as provas, mas decidiu continuar competindo. A própria atividade junto com o tratamento fizeram com que as crises reduzissem bastante — afirma o pai da adolescente, Rosemiro Zopellaro.

Assim como Beatriz, quem convive com a asma consegue manter uma rotina normal. Isto porque, essa é uma doença totalmente reversível com medicamentos, sendo possível desinflamar a via área e fazer a broncodilatação (aumento do diâmetro interno dos brônquios que permite maior passagem de ar), o que possibilita que o indivíduo respire melhor.

No entanto, em caso de não tratamento e agravamento da asma, a longo prazo pode haver um remodelamento e as vias áreas ficarem com uma espécie de inflamação fixa, podendo evoluir para uma doença pulmonar obstrutiva crônica sem reversão mesmo com a medicação.

Saiba mais sobre a asma

Fonte: Carla Bartuscheck, pneumologista

A doença

Asma é uma doença inflamatória crônica das vias aéreas ou brônquios — os tubos que levam o ar aos pulmões —, normalmente desencadeada por um fator genético (no qual o indivíduo já tem predisposição) ou por exposição a algum alergênico (como poluição, cigarro, ácaros ou poeira). A asma não tem cura, mas com acompanhamento médico periódico e tratamento adequado os sintomas podem melhorar e até mesmo desaparecer ao longo do tempo.

Sintomas

Os sinais mais comuns são tosse seca; dor torácica; sensação de opressão no peito; e chiado ou falta de ar. Normalmente os sintomas podem ser mais evidentes à noite e nas primeiras horas da manhã e ocorrem geralmente no período de crise, que pode ser desencadeada por conta de mudanças climáticas, exposição a alergênicos, e, para algumas pessoas que têm predisposição, os sinais podem se manifestar ainda depois de um esforço físico.

Prevenção

São fatores de controle para amenizar ou evitar a manifestação dos sintomas ações preventivas como deixar a casa bem arejada; tentar evitar se expor ao cigarro e a poluentes; evitar o tabagismo; manter o corpo bem hidratado; e seguir uma rotina saudável aliada à atividade física.

Diagnóstico

A determinação da doença geralmente se dá por meio do diagnóstico clínico, uma vez que o Raio-X normalmente não apresenta anormalidade ou alteração radiológica. Desta forma, o quadro clínico é avaliado com base nos sintomas do paciente, teste físico, e a realização de um exame de função pulmonar. Este último auxilia ainda para apontar o grau da doença (leve, moderada ou grave).

Tratamento

Medicamentoso e individualizado de acordo com as condições de cada paciente. Geralmente é feito através de medicações corticoides inaláveis via broncodilatador (bombinha da asma). O tratamento consiste em duas formas: manutenção, para evitar que as crises se desenvolvam; e resgate, para alívio rápido dos sintomas.

Mitos sobre o tratamento

Fonte: Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia / Ministério da Saúde

A “bombinha” de asma vicia. É mito

O broncodilatador de curta ação ou medicação de resgate alivia momentaneamente a falta de ar quando inalado. O que acontece, muitas vezes é que o paciente não trata a asma de maneira contínua – o que não é o correto – e necessita das bombinhas com maior frequência, mas isso nada tem a ver com “vício”.

A “bombinha” faz mal para o coração. É mito

Quando surgiram os primeiros remédios broncodilatadores para asma, eram substâncias que tinham como efeito colateral a aceleração do coração (taquicardia). Com as novas e melhores drogas e dispositivos, esse efeito foi desaparecendo.

Deixe seu comentário:

publicidade