nsc

publicidade

Saúde

Entenda o que é e como age a substância usada no tratamento de câncer feita em Pomerode

A fosfoetanolamina sintética é uma droga experimental e não pode ser comercializada

24/09/2015 - 03h03 - Atualizada em: 22/10/2015 - 19h26

Compartilhe

Por Redação NSC
Substância tem sido usada no tratamento do câncer
Substância tem sido usada no tratamento do câncer
(Foto: )

A história de um representante comercial que manipulava cápsulas de fosfoetanolamina sintética preso em Pomerode reacendeu o debate sobre o tratamento contra o câncer.

De um lado, pacientes acionam a Justiça para receber gratuitamente a substância que o Instituto de Química de São Carlos, da Universidade de São Paulo (USP), produz. De outro, oncologistas e Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) explicam que não há testes clínicos em seres humanos nem pedido de registro para as cápsulas serem vendidas. No centro da discussão está Carlos Kennedy Witthoeft, preso em junho após denúncia anônima de que estaria produzindo a substância em casa.

::: Conheça o pomerodense que fabricava as cápsulas para tratar o câncer em casa

::: "Decidi tomar e botei na mão de Deus", diz homem que usa a substância

::: Médicos pedem cautela sobre tratamento alternativo contra o câncer

::: Veja a linha do tempo com a história da produção da fosfoetanolamina

::: Entenda por que a substância não pode ser vendida

A fosfoetanolamina é uma molécula encontrada em membranas plasmáticas dos seres humanos com propriedades anti-inflamatórias e ligadas à defesa do organismo. As primeiras pesquisas datam de 1930 quando testes em bois comprovaram que ela é produzida pelo organismo.

Liderado pelo doutor Gilberto Orivaldo Chierice, atualmente aposentado, um grupo de pesquisadores começou a produzir a substância em laboratório. Artigos dos pesquisadores do Instituto de Química de São Carlos, ligado à USP, publicados em revistas científicas relatam o desempenho da fosfoetanolamina sintética na inibição dos tumores e metástases.

Em uma das dissertações, de Renato Meneguelo, a substância foi testada em camundongos e in vitro e o resultado apontou que tumores diminuíram sem afetar células normais, aumentando a vida dos animais e mostrando vantagem sobre quimioterápicos comerciais.

Deixe seu comentário:

publicidade