nsc
dc

Com mais conforto

Especialista indica a postura correta ao dirigir

Longas viagens, comuns nas férias, podem causar dores na coluna

17/01/2014 - 12h24

Compartilhe

Por Redação NSC
(Foto: )

As longas viagens de carro se tornam mais comuns neste período de verão e férias. A má postura ao dirigir ou mesmo de quem está de carona, entretanto, pode causar dores da coluna. A causa mais frequente para a o aparecimento do problema é devido à má postura durante a realização de tarefas diariamente.

- As principais características são a rigidez nas articulações e as contraturas, afetando principalmente a região em cima dos ombros e o pescoço - descreve o fisioterapeuta especialista em coluna vertebral, presidente da Associação Brasileira de Reabilitação de Coluna (ABRC) e diretor do Instituto de Tratamento da Coluna Vertebral, Helder Montenegro.

Pessoas que passam muitas horas dirigindo são mais propensas ao surgimento da lombalgia, dor que acontece na região lombar e corresponde a região inferior da coluna vertebral.

- A dor surge quando o indivíduo posiciona-se de maneira inadequada em frente ao volante. Muitos costumam ficar curvados, com o assento muito longe dos pedais e com os ombros elevados, causando assim uma sobrecarga na coluna - explica o especialista.

Para evitar ser surpreendido com os incômodos das dores na região lombar, veja as dicas do fisioterapeuta sobre o posicionamento indicado para quem dirige longos períodos:

Região lombar: deve permanecer totalmente apoiada no banco. Se o assento não possui ajuste lombar, utilize um rolo lombar ou uma toalha enrolada para dar o devido suporte para a região.

Braços e pernas: acomode o ajuste do banco para que os pés não fiquem muito distantes dos pedais. O ideal é que os joelhos não fiquem totalmente dobrados, mas levemente flexionados para melhor conforto ao dirigir. Os braços não podem permanecer totalmente esticados, mas com os cotovelos semifletidos para não tensionar ombros e pescoço.

Pescoço: O encosto da cabeça deve ser mantido a 90º com relação ao assento para que não haja o movimento denominado "chicote", que ocorre quando o pescoço é modificado de forma brusca para trás no momento de um impacto na traseira do carro.

O fisioterapeuta ressalta que essas complicações na coluna desaparecem entre três a seis dias com ou sem tratamento. No entanto, se os sintomas persistirem, o ideal é buscar o auxílio de um médico que identificará a cronicidade do dor.

- Evitar a obesidade e manter uma vida longe do sedentarismo são atitudes que contribuem para o não comprometimento da lombar. Isso porque, a prática de exercícios físicos ajuda a fortalecer a musculatura, evita os desgastes entre as vértebras na coluna e reduz o risco de lesões - finaliza Montenegro.

Colunistas