nsc
santa

Patrimônio histórico

Especialistas em enxaimel mapeiam construções em Blumenau

Levantamento identifica 226 residências que seguem a técnica construtiva e cria banco de dados

04/04/2015 - 02h51 - Atualizada em: 04/04/2015 - 05h58

Compartilhe

Por Redação NSC
Pesquisa inédita levou sete meses para ser concluída
Pesquisa inédita levou sete meses para ser concluída
(Foto: )

Foram sete meses de caminhadas, fotografias, medições e muita pesquisa por todas as ruas de Blumenau. Assim o carpinteiro especialista em enxaimel Paulo Volles, acompanhado da também carpinteira Gisele Diel, produziu um levantamento inédito sobre casas que sobrevivem ao progresso do tempo e da história. Eles encontraram 226 edificações que preservam características originais das construções a partir da técnica construtiva típica da Alemanha e catalogaram endereços, condições e medidas de cada residência com o objetivo de criar um banco de dados que possa servir de fonte para outros tipos de pesquisa.

:::Em 50 anos metade das construções em enxaimel vai desaparecer em Blumenau

Volles explica que o trabalho nasceu da vontade de saber quais eram as condições das casas enxaimel que ainda existem em Blumenau. Em um contato com o presidente da Fundação Cultural, Sylvio Zimmermann, surgiu a ideia de criar algo oficial e assim foi feito o projeto Levantamento de Casas Enxaimel de Blumenau, financiado com recursos do Fundo Municipal para a Cultura. Além dos dois especialistas, a arquiteta Angelina Wittmann prestou consultoria.

Pesquisa gerou desconfiança

Com os recursos na mão, eles partiram para a pesquisa de campo. Volles afirma que passaram por todas as ruas de Blumenau para garantir que nenhuma construção ficaria de fora:

- Queríamos reunir o maior número de informações possível do enxaimel de Blumenau em um lugar. Não conseguimos entrar em algumas casas porque elas estavam fechadas, mas tivemos acesso a 80% delas, fizemos medições, reunimos dados e as informações mais importantes. Com esse levantamento é possível reconstruir qualquer uma dessas casas, caso elas sejam perdidas.

O pesquisador conta que a equipe teve de enfrentar a resistência dos proprietários das casas em diversos locais e explicar com paciência a importância do levantamento.

- No Centro as pessoas ficavam bem desconfiadas, principalmente porque boa parte das casas abriga comércios, então queriam anotar nome, telefone, ligar para o patrão autorizar. Mas onde tivemos mais dificuldades foi na Vila Itoupava, muita gente dizia que não queria falar e não dava nenhuma informação. Os locais onde fomos mais bem recebidos foram os que ficavam mais longe das áreas urbanizadas - revela.

>> Veja mais detalhes do estudo:

Colunistas