nsc
hora_de_sc

Feminicídio

"Eu falei pra tu não me deixar": homem é condenado a 24 anos de prisão por matar ex em SC

Vítima foi morta com 20 golpes de canivete pelo ex-companheiro, que não aceitava o fim do relacionamento, em Santo Amaro da Imperatriz

11/08/2021 - 19h33 - Atualizada em: 11/08/2021 - 19h36

Compartilhe

Por Luana Amorim
Crime aconteceu em outubro de 2018 enquanto a vítima fazia exercícios
Crime aconteceu em outubro de 2018 enquanto a vítima fazia exercícios
(Foto: )

Um homem foi condenado a mais de 24 anos de prisão por feminicídio após matar com 20 golpes de canivete a ex-companheira em Santo Amaro da Imperatriz, na Grande Florianópolis. O julgamento ocorreu nesta terça-feira (10) e a pena foi de 24 anos e 6 meses de reclusão em regime inicial fechado.

> Receba notícias de Florianópolis e região pelo WhatsApp

O caso ocorreu em outubro de 2018. Segundo a denúncia do Ministério Público de Santa Catarina (MPSC), o homem foi até a clínica onde a vítima fazia exercícios e, sem que ela percebesse, deu 20 golpes nela com um canivete. O motivo do crime foi porque ele não aceitava a separação. 

Os dois tiveram um relacionamento por cerca de 30 anos, durante o qual a vítima, apesar de não registrar boletins de ocorrência, sofreu violência doméstica, conforme o depoimento de familiares, que constam na ação penal pública. Os dois terminaram dois meses antes do crime, quando a mulher saiu de casa. 

Ainda de acordo com a denúncia, após o crime, o homem saiu "tranquilamente" da clínica, parou, acendeu um cigarro e ficou esperando a chegada da Polícia Militar. Testemunhas disseram, ainda, que durante os golpes, o réu dizia "eu falei pra tu (sic) não me deixar".

O homem foi condenado por feminicídio, cometido por motivo torpe, com uso cruel e sem possibilitar a defesa da vítima. O réu pode recorrer da decisão. 

Em junho, o irmão do homem também foi preso por feminicídio. Ele teria matado a esposa de 38 anos por estrangulamento e, depois, se jogado contra um veículo na BR-282. A polícia descobriu o crime após achar um bilhete na casa dele, em que o homem pedia para uma pessoa cuidar da filha do casal de 11 anos. 

Leia também: 

Como a pandemia mudou o combate ao feminicídio e à violência doméstica em SC

SC tem 15% das vítimas de feminicídio em 2021 mortas pelos próprios pais

Entenda por que mortes de mãe e filha não entraram na estatística de feminicídio em SC

Colunistas