nsc
santa

Um ano no caos

Falta de condições no Presídio Regional de Blumenau leva à reincidência criminal, garantem especialistas

Muitos dos que saem da unidade, voltam a cometer os mesmo crimes do lado de fora das grades

10/05/2014 - 05h43 - Atualizada em: 10/05/2014 - 14h04

Compartilhe

Por Redação NSC
A lotação do Presídio Regional de Blumenau é de 1.113 presos
A lotação do Presídio Regional de Blumenau é de 1.113 presos
(Foto: )

Sentados em círculo em frente a uma televisão, homens e mulheres que estão em liberdade condicional e em regime semiaberto do Presídio Regional de Blumenau discutem sobre o primeiro passo após reconquistar a liberdade. Conhecem muito bem a realidade dentro do Presídio Regional de Blumenau e sabem que os que recomeçam são poucos. Para a coordenadora da Central de Apoio à Execução Penal de Blumenau, Lúcia Maria Pegoraro, com a falta de dignidade e condições do presídio, muitos dos que saem da unidade voltam a cometer crimes:

- É muito difícil. São poucos os que mudam de vida. Quem sai de lá fica muito desmotivado, desacreditado e acaba reincidindo.

A psicóloga da organização cristã Cruz Azul do Brasil, Sirlene Andrade Zermiani, ouve todos os dias as histórias que ocorrem no presídio. Lá dentro, segunda ela, eles vivem em ociosidade e não tem apoio psicológico nem assistência social para recuperar a vida do lado de fora.

- Tudo isso mexe na subjetividade e no emocional dos presos. O que vamos recuperar neles com este tipo de tratamento? - questiona.

Para a presidente do Conselho da Comunidade, Marilu da Rocha Ribas, uma das soluções é a ocupação com o trabalho. Segundo ela, a maioria dos presos que estão no regime semiaberto trabalha em empresas locais e há probabilidade de mais vagas nos próximos meses:

- O detento pode sair pior do que entrou, mas o trabalho ajuda na ocupação do tempo e evita pensamentos que resultem na reincidência depois.

Colunistas