nsc
dc

Mobilização

Febre Amarela: Dive/SC recomenda cuidados com moradores de borda de mata

Guaramirim, no Norte de SC, terá mutirão de vacina contra a febre amarela com foco nessa população neste fim de semana 

05/08/2019 - 11h06 - Atualizada em: 05/08/2019 - 12h03

Compartilhe

Por Camila Levien
(Foto: )

A cidade Guaramirim terá um mutirão de vacinação contra a febre amarela em residências que fazem limites de até 500 metros de distância da borda da mata. A mobilização está sendo promovida pela Secretaria Municipal de Saúde e deve ocorrer em dois sábados, 10 e 17 de agosto entre 8h e 16h30. Equipes irão de casa em casa, com o objetivo de imunizar aquelas pessoas que ainda não receberam a dose.

No dia 10 de agosto ser percorrido os seguintes locais: Morro do Satuca, Morro do Defuntinho, Amizade e Avaí. Já no dia 17 de agosto será a vez dos moradores dos bairros Brüderthal, Vila Freitas e Morro do Schmidt. A imunização nos dois dias será, das 8h às 16h30. A recomendação é que os moradores fora da área delimitada procurarem a unidade de saúde mais perto de casa.

A definição da área de abordagem faz parte de uma orientação da Diretoria de Vigilância Epidemiológica (Dive/SC) que recomenda a todos os municípios do Estado a dar prioridade de imunização para pessoas que vivem próximos de mata, pois é neste local em que normalmente se constata a circulação do mosquito.

O Estado está em alerta para essa doença, todos os esforços devem ser para que os municípios aumentem a cobertura vacinal

Renata Gatti, bióloga da Dive/SC, explica que atualmente a cobertura não está adequada, o última estimativa é de que 70% esteja imunizada, porém o recomendado pelo Ministério da Saúde é o valor estivesse de 95% em todos municípios. Santa Catarina se tornou Área com Recomendação de Vacinação contra a febre amarela (ACRV) no segundo semestre de 2018.

— O Estado está em alerta para essa doença, todos os esforços devem ser para que os municípios aumentem a cobertura vacinal. A tendência é que a partir de setembro comece o período de chuvas. É nesse momento que temos o aumento da circulação do mosquito, pois ele encontra as condições favoráveis à reprodução. Consequentemente cresce o risco de propagação da doença — afirma Gatti

De acordo com a Diretoria, a avaliação de risco é que o vírus está se deslocando o litoral, por isso a necessidade das pessoas buscarem a imunização. A recomendação é que todos os moradores de Santa Catarina, com mais de 9 meses de idade até 59 anos, 11 meses e 29 dias e que ainda não foram vacinados, devem procurar uma unidade de saúde para se imunizar contra a doença.

Uma única dose é suficiente para proteger por toda a vida. Segundo o órgão as doses estão disponíveis em 1.104 salas de vacinação de todos os 295 municípios catarinenses.

Pontos Críticos

A bióloga afirma que o ponto mais preocupante no Estado no momento é o Médio Vale do Itajaí, cidades como Blumenau, Pomerode e Indaial onde houve a última morte confirmada de macaco do Estado. De acordo com a bióloga a região preocupa justamente por causa dos fragmentos de mata.

Leia mais: Dive-SC investiga febre amarela em macaco encontrado morto em Joinville

Outro ponto de SC que preocupa o órgão são o Planalto Norte, Serra e Meio-Oeste, especialmente na região do município de Videira. Esses pontos são considerados regiões silenciosas, pois não se tem informações de primatas.

— É fundamental que as pessoas notifiquem as mortes de macaco em até 24 horas. Eles são sempre as primeiras vítimas e se a gente sabe onde eles estão morrendo, podemos mapear o caminho do vírus — ressalta Renata

Deixe seu comentário:

Últimas notícias

Loading interface... Todas de Saúde

Colunistas