nsc
dc

Tira-dúvidas

Febre amarela: o que você precisa saber sobre a doença 

Estado conta com 42,3 mil vacinas no estoque e tem quatro casos suspeitos da doença em investigação

08/02/2017 - 12h51 - Atualizada em: 03/02/2021 - 17h33

Compartilhe

Por Redação NSC
Vacinação é o principal método de prevenção
Vacinação é o principal método de prevenção
(Foto: )

Já foram 68 mortes e 180 casos confirmados em pouco mais de dois meses no país. Esse é o maior número de casos desde que começaram os registros há 37 anos, informou o Ministério da Saúde. Esse é o cenário atual da febre amarela, doença infecciosa que é transmitida por mosquito, neste ano no país.

> Quer receber notícias por WhatsApp? Inscreva-se aqui

Apesar da maioria dos casos e mortes terem acontecido em Minas Gerais, epicentro do surto, Santa Catarina reforça a importância da vacinação, principalmente nos 162 municípios catarinenses que integram a Área com Recomendação de Vacina contra Febre Amarela (ACRV). O Estado conta com quatro casos suspeitos, mas que foram contraídos em outros Estados, como Minas Gerais e Mato Grosso.

> Três macacos têm mortes confirmadas por Febre Amarela na Serra Catarinense

Tira-dúvidas da doença

O que é a febre amarela?

É uma doença infecciosa febril aguda, causada por um arbovírus (vírus transmitido por artrópodes), que pode levar à morte em cerca de uma semana, se não for tratada rapidamente. Os casos de Febre Amarela (FA) no Brasil são classificados como febre amarela silvestre ou febre amarela urbana, sendo que o vírus transmitido é o mesmo, assim como a doença que se manifesta nos dois casos, a diferença entre elas é o mosquito vetor envolvido na transmissão.

Na FA silvestre, os mosquitos dos gêneros Haemagogus e Sabethes transmitem o vírus e os macacos são os principais hospedeiros; nessa situação, os casos humanos ocorrem quando uma pessoa não vacinada adentra uma área silvestre e é picada por mosquito contaminado. Na FA urbana o vírus é transmitido pelos mosquitos Aedes aegyptii ao homem, mas esta não é registrada no Brasil desde 1942.

A doença é contagiosa?

A doença não é contagiosa, ou seja, não há transmissão de pessoa a pessoa. É transmitida somente pela picada de mosquitos infectados com o vírus da febre amarela.

​> Primeiro caso de febre amarela em humano é registrado neste ano em SC

Qualquer pessoa está em risco de contrair febre amarela?

Sim. Qualquer pessoa sem ter sido vacinada que viva ou visite áreas onde há transmissão da doença, pode ter Febre Amarela, independentemente da idade ou sexo.

Quais os sintomas?

Os sintomas iniciais incluem febre de início súbito calafrios, dor de cabeça, dores nas costas, dores no corpo em geral, náuseas e vômitos, fadiga e fraqueza. Em casos graves, a pessoa pode desenvolver febre alta, icterícia (coloração amarelada da pele e do branco dos olhos), hemorragia e, eventualmente, choque e insuficiência de múltiplos órgãos. Entre 20 e 50% das pessoas que desenvolvem doença grave podem morrer. A doença pode levar à morte em cerca de uma semana, se não for tratada rapidamente. Nos casos que evoluem para a cura, a infecção confere imunidade duradoura. Isso quer dizer que você só pode ter febre amarela uma vez na vida.

> Ciclone no Sul do Brasil despenca temperaturas em SC e causa ventos fortes no Litoral

O que você deve fazer se apresentar os sintomas?

Depois de identificar alguns dos sintomas, procure um médico na unidade de saúde mais próxima e informe sobre qualquer viagem para áreas de risco nos 15 dias anteriores ao início dos sintomas e se você observou mortandade de macacos próximo aos lugares que você visitou. Informe, ainda, se você tomou a vacina contra a febre amarela, e a data.

Como a febre amarela é tratada?

Não há nenhum tratamento específico contra a doença. O médico deve tratar os sintomas, como as dores no corpo e cabeça, com analgésicos e antitérmicos. Salicilatos devem ser evitados (AAS e Aspirina), já que seu uso pode favorecer o aparecimento de manifestações hemorrágicas. O médico deve estar alerta para quaisquer indicações de um agravamento do quadro clínico. Somente um médico é capaz de diagnosticar e tratar corretamente a doença.

​> Começa pré-cadastro para vacinação de idosos contra o coronavírus em SC

Como a doença pode ser evitada?

A única forma de evitar a Febre Amarela é através da vacinação. A vacina está disponível gratuitamente durante todo o ano, nas 36 mil salas de vacinação, distribuídas no País.

Quem deve se vacinar?

Todos os moradores dos 162 municípios catarinenses que integram a Área com Recomendação de Vacina contra Febre Amarela (ACRV) e todas as pessoas que residem ou viajam para regiões silvestres, rurais ou de mata de qualquer um dos 3.530 municípios brasileiros considerados ACRV. Quem ainda não é vacinado e pretende viajar para essas áreas, fazer trilhas, ecoturismo ou viajar para o Exterior deve procurar um posto de vacinação pelo menos 10 dias antes da viagem.

As duas doses da vacina febre amarela fazem parte do Calendário Nacional, sendo o esquema vacinal uma dose aos 9 meses de idade com reforço aos 4 anos. Para pessoas de 2 a 59 anos, a recomendação é de duas doses. Assim, a proteção está garantida para o resto da vida. Idosos, gestantes e lactantes devem ser avaliados previamente por médicos antes de serem vacinados.

> CPF e dados vazados? Saiba o que fazer

Para quem já tomou duas doses da vacina e mora nas áreas de recomendação, uma terceira dose significa mais proteção?

As duas doses são o suficiente para proteger durante toda a vida. Uma terceira dose não vai criar nenhuma proteção adicional. A Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda uma única dose para toda a vida. O Brasil, buscando uma maior segurança, adota o esquema de duas doses. Portanto, quem recebeu duas doses, na infância ou na fase adulta, já está devidamente protegido e não precisa buscar o serviço de saúde. Para adultos que tomaram a primeira dose há menos de dez anos, também não há necessidade de adiantar a dose de reforço.

Fonte: Ministério da Saúde

Leia também

Painel do Coronavírus: veja em mapas e gráficos a evolução dos casos em SC

O vírus está nas roupas, nos sapatos, no cabelo ou no jornal? Entenda

Coronavírus: o que é lockdown? Entenda a medida e para que ela serve

Colunistas