nsc

publicidade

Recorde dos recordes

Festival de Dança de Joinville dobra número de participantes que o colocou no Guinness 

Evento começa nesta terça-feira batendo o próprio recorde ao chegar à 37ª edição

16/07/2019 - 06h41

Compartilhe

Cláudia
Por Cláudia Morriesen
foto mostra palco do Centreventos na Noite do Campeões júnior de 2018
Estudantes de dança e bailarinos do país inteiro participam da programação
(Foto: )

O 37º Festival de Dança de Joinville começa nesta terça-feira, 16, com a abertura da Feira da Sapatilha, as primeiras apresentações de Palco Aberto e o início oficial dos cursos oferecidos a estudantes e profissionais de dança. Batendo o próprio recorde que deu ao evento o título de maior do mundo em número de participantes — registrado pelo Guinness Book em 2005, um ano depois de 4.500 inscritos comparecerem a Joinville para participar da programação — neste ano o Festival receberá o dobro: são mais de 9 mil pessoas que chegam à cidade catarinense para se apresentar, competir, fazer cursos, estabelecer contatos e conferir as últimas novidades do mundo da dança. A programação também aumentou, atendendo os diferentes públicos que orbitam em volta do evento e oficializando atividades que já ocorriam em seus bastidores.

O grande número de inscrições registrado em 2019 deve-se também aos cursos, que chegam a 95 opções; e, principalmente, aos participantes de Palco Aberto: são 480 grupos confirmados para apresentações de 1.462 coreografias em sete palcos de Joinville e um de Barra Velha. São apresentações em espaços abertos ao público, de forma gratuita, sem envolver competição a não ser a seletiva prévia pela qual todos passaram, quando estas coreografias foram assistidas e analisadas por alguns dos mais experientes profissionais da dança do país.

— Os grupos estão melhorando a qualidade e conseguindo a média [de aprovação para o Palco Aberto]. Eles estão investindo na qualidade deles só para dançar nos palcos abertos — comenta o presidente do Instituto Festival de Dança, Ely Diniz.

Enquanto este número cresce, já que sua programação é flexível — ela ocorre em praças, shoppings e ginásios de esportes - as vagas mais disputadas do Festival de Joinville estão ainda mais concorridas. Para a Mostra Competitiva, que ocorre à noite no Centreventos Cau Hansen, são 277 coreografias — 21 a mais que no ano passado — e, destas, 44 tinham retorno garantido pela premiação com primeiro lugar na última edição. No Meia Ponta, a competição para participantes de nove a 12 anos, serão 54 coreografias. Estes participantes vêm de 23 estados brasileiros e do Distrito Federal, e de três países: Paraguai, México e Argentina.

— Nós estamos imbuídos de interesse de dar o maior apoio possível a esses grupos, que vem de tudo o que é lugar do País. Tem um monte de gente que vem de ônibus do Norte e do Nordeste, passa dois, três dias dentro do ônibus. Então, o mínimo que podemos fazer é receber esse pessoal muito bem, investindo no bem-estar do bailarino — salienta Ely.

Trecho do espetáculo de abertura do Festival
Trecho do espetáculo de abertura do Festival
(Foto: )

Noite de abertura com "O Musical dos Musicais"

Da mesma forma que ocorre desde 2017, o 37º Festival de Dança terá 12 dias, com a Noite de Abertura ocorrendo na quarta-feira para abrir a programação noturna. A coreógrafa Fernanda Chamma foi contratada para produzir "O Musical dos Musicais", que reúne trechos de espetáculos clássicos e populares do teatro musical.

Ela, assim como a maioria dos diretores e protagonistas das noites especiais do Festival, tem sua história profundamente ligada à Joinville: participou do evento como concorrente na Mostra Competitiva nos anos 1980 e, nas últimas décadas, voltou à cidade quase todos os anos no mês de julho como professora, jurada e, entre 2010 e 2013, como curadora artística do evento.

Foi justamente no seu primeiro ano como conselheira que o Festival de Dança trouxe o único musical de sua história, com "Pernas pro Ar", protagonizado por Claudia Raia. Agora, a organização do evento ousa ao montar um espetáculo especialmente para a Noite de Abertura.

— É muito difícil trazer um musical, é muito complexo e muito caro. Em São Paulo e no Rio de Janeiro, são preparadas temporadas por meses — avalia Ely.

Ainda que o Festival de Joinville esteja subsidiando toda a montagem, os valores não ficam muito diferentes do contrato com companhias de dança internacionais como as que tradicionalmente vinham abrir o evento.

Nos últimos anos, tornou-se comum que o evento financie criações que serão apresentadas especialmente em Joinville, em uma experiência que não mais se repetirá, como ocorreu na Noite de Gala de 2017 e na formação do elenco de "O Lago dos Cisnes" da abertura do ano passado.

— Ter realizado estas montagens inéditas nos últimos anos foi coincidência. Não é tão mais barato, não, mas é aproveitar a possibilidade que você tem tecnicamente de montá-las — afirma.

Ely Diniz, presidente do Instituto Festival de Dança
Ely Diniz, presidente do Instituto Festival de Dança
(Foto: )

Orçamento para manter o padrão das últimas edições

Para 2019, o orçamento para organização dos 12 dias de programação é de pouco mais de R$ 5 milhões, mantendo o padrão das últimas edições. A maior parte deste valor, de quase 60%, é de receita própria, recebida principalmente pelo pagamento de cursos, da bilheteria e da Feira da Sapatilha.

O Governo do Estado repassa R$ 1 milhão via Funcultural e o restante é completado por patrocínios culturais via Lei Rouanet. A Prefeitura de Joinville cede gratuitamente o complexo do Centreventos Cau Hansen para os 12 dias de eventos por meio de contrato de gestão com a Secretaria de Cultura e Turismo - da mesma forma que acontece com as salas onde funcionam a sede do Instituto Festival de Dança durante o ano.

— Pessoas de fora sempre imaginam que este valor seja muito maior. Sempre relembro: se você está em São Paulo ou Rio de Janeiro, isso não é nada. É menor do que o menor orçamento que a menor escola de samba do Rio tem para dançar por uma hora e 20 minutos. Aqui é para fazer, durante 12 dias, o maior festival de dança do mundo — afirma Ely.

Festival terá 12 dias com 7 estilos

Mostra Competitiva

- 150 grupos participantes

- 277 coreografias

Meia Ponta

- 37 grupos participantes

- 54 coreografias

Palcos Abertos

- 480 grupos participantes

- 1.462 coreografias

Programação didática

- 3.080 vagas em cursos

- 95 cursos

- 37 professores

Confira a cobertura completa do Festival de Dança de Joinville de 2019

Deixe seu comentário:

publicidade