nsc
dc

Aniversário da Capital

Após alagamento na Lagoa da Conceição, Florianópolis precisa enfrentar desafios ambientais

Um dos cartões-postais da cidade, a Lagoa da Conceição sofreu com o vazamento de um lago artificial de esgoto no fim de janeiro e sofre com fenômenos naturais que podem causar problemas nas pessoas

20/03/2021 - 10h00

Compartilhe

Por Ângela Bastos
Especialista defende a aplicação de um conjunto de intervenções sugerido pelo Ministério Público Federal e acolhido pela Justiça Federal para recuperar a região
Especialista defende a aplicação de um conjunto de intervenções sugerido pelo Ministério Público Federal e acolhido pela Justiça Federal para recuperar a região
(Foto: )

A Lagoa da Conceição, famoso cartão-postal da cidade, enfrenta problemas ambientais na chegada de mais um ano a Florianópolis. Igualmente cantada por Zininho, a “lagoa formosa”, aquela “onde a lua vaidosa, sestrosa, dengosa vem se espelhar”, enfrenta um surto de mortalidade de peixes, crustáceos, moluscos. 

> Receba notícias de Florianópolis e região pelo WhatsApp

O fenômeno da “maré marrom” surge da floração de algas que alteram a cor da água e impedem a oxigenação. Análises comprovaram ainda a presença da microalga Fibrocapsa Japonica, que produz e libera toxinas perigosas para as pessoas, podendo causar náusea, diarreia, vômitos e problemas neurológicos.

> Entenda o que causou a inundação de ruas e casas na Lagoa da Conceição em Florianópolis

Para usar uma palavra do momento, o sistema da Lagoa da Conceição colapsou. Isso significa que a saúde está no ponto mais alto de saturação. O que há tempos vinha sendo alertado por moradores, pesquisadores, ambientalistas – degradação ambiental, perda da biodiversidade, assoreamento de canais e rios, diminuição das atividades de pesca – chegou ao limite. 

Por isso, é chegada a hora de ser concretizado o conjunto de intervenções sugerido pelo Ministério Público Federal e acolhido pela Justiça Federal, diz Paulo Horta, biólogo e professor dos cursos de pós-graduação em Ecologia e Oceanografia da UFSC.

— A Lagoa é mais do que uma lagoa, é parte da vida das pessoas, especialmente de quem depende dela social e economicamente. Precisamos compará-la a um paciente que precisa de exames, ter uma avaliação clínica e receber o remédio adequado – diz Horta, responsável pelo Laboratório de Ficologia da UFSC.

Para o professor, o tratamento passa por duas situações imediatas: retirar o nitrogênio e o fósforo que levam à morte das espécies e a introdução do oxigênio na água. Isso se faz com manejo ou cultivo de algumas algas. O segundo remédio, explica Horta, é impedir a entrada de novos poluentes, como lama e sedimentos, como do aterro formado ao longo da Avenida das Rendeiras.

> A dor dos moradores da Servidão Manoel Luiz Duarte

As preocupações com a qualidade de vida da lagoa se intensificaram desde 25 de janeiro, quando ocorreu vazamento de uma lagoa artificial com esgoto tratado da Companhia de Água e Saneamento (Casan). Com o rompimento, 35 famílias da Servidão Manoel Luiz Duarte, área mais atingida pelo esgoto, tiveram as residências alagadas. Ao menos 66 pessoas foram diretamente atingidas.

> Em meio à pandemia, Florianópolis chega aos 348 anos sem festa

A Casan diz que as indenizações estão sendo feitas, que não identificou irregularidade nas águas desde o acidente e considera fake news vídeos postados nas redes sociais mostrando água escura sendo liberada na região do Parque Estadual do Rio Vermelho.

Leia também:

Alga tóxica registrada pela primeira vez em SC causa morte de peixes na Lagoa da Conceição, em Florianópolis

Casan sabia do risco de vazamento em lagoa de infiltração desde 2017

Vidas marcadas pela força das águas em Santa Catarina

Opinião: vazamento de lagoa de infiltração da Casan em Florianópolis escancara falta de governança

Colunistas