publicidade

Saúde
Navegue por

Prevenção 

Florianópolis sedia abertura de campanha nacional contra o câncer de cabeça e pescoço

Terceira edição da campanha "Julho Verde" começa oficialmente nesta quarta-feira (3)

01/07/2019 - 20h14

Compartilhe

Por Camila Levien
Campanha é promovida pela Associação de Câncer de Boca e Garganta
Campanha é promovida pela Associação de Câncer de Boca e Garganta
(Foto: )

Neste mês a cor verde será utilizada para remeter à conscientização sobre o câncer de cabeça e pescoço. Essa é a terceira edição da campanha Julho Verde, promovida pela Associação de Câncer de Boca e Garganta (ACBG) com o tema: "O câncer tá na cara, mas às vezes você não vê".

Florianópolis sediará pela primeira vez a abertura da programação marcada para quarta-feira (3), às 14h, com apresentação da Banda da Marinha no Centro de Pesquisa Oncológicas. As atividades duram todo o mês, com ações simultâneas em vários locais do país.

De acordo com a ACBG, o objetivo é levar informação sobre a doença para estimular a prevenção, diagnóstico precoce, tratamento e reabilitação adequados, chamando atenção aos fatores de risco que estão presentes no dia a dia de todos, como tabagismo em todas as suas modalidades, consumo de bebidas alcoólicas independente da periodicidade e volume ingerido e as infecções por HPV por meio das relações sexuais rotativas e sem preservativos, mesmo no sexo oral.

Cronograma de atividades em Florianópolis
Cronograma de atividades em Florianópolis
(Foto: )

O Brasil registra anualmente 41 mil novos casos de tumores de cabeça e pescoço, apontam os dados do Instituto Nacional de Câncer. Este tipo da doença atinge boca, língua, palato mole e duro, gengivas, bochechas, amígdalas, faringe, laringe, esôfago, tireóide e seios paranasais. Segundo estimativas do Instituto Nacional de Câncer (Inca), em geral os tumores de cabeça e pescoço são mais frequentes em homens na faixa dos 60 anos de idade e representam o segundo tipo da doença com maior incidência na população masculina e o quinto mais comum entre as mulheres.

O diagnóstico é feito por meio de avaliação clínica — que muitas vezes pode ser realizada por um médico ou dentista, sem necessidade de equipamentos especiais —, além de biópsia e exames de imagem, como tomografia, ressonância magnética. Quando detectado logo no início, as chances de cura podem chegar a 80%, de acordo com Inca.

Prevenção

- Evite o tabagismo.

- Evite o consumo abusivo de bebidas alcoólicas.

- Vacine-se contra o papilomavírus humano (HPV).

- Use preservativos.

- Mantenha uma boa higiene bucal.

- Consulte-se regularmente com um dentista.

- Tenha uma alimentação equilibrada.

Ainda não é assinante? Faça sua assinatura do NSC Total para ter acesso ilimitado ao portal, ler as edições digitais dos jornais e aproveitar os descontos do Clube NSC.

Deixe seu comentário:

publicidade

Navegue por
© 2018 NSC Comunicação
Navegue por
© 2018 NSC Comunicação