publicidade

Cotidiano
Navegue por

Notícia

Florianópolis tem pior mobilidade urbana do Brasil

Informação é de estudo de pesquisador Valério Medeiros, da Universidade de Brasília

26/05/2009 - 07h10 - Atualizada em: 26/05/2009 - 13h52

Compartilhe

Por Redação NSC
Estudo sugere implantar integração entre vários meios de transporte na Capital
Estudo sugere implantar integração entre vários meios de transporte na Capital
(Foto: )

Florianópolis tem o segundo pior índice de mobilidade do mundo e o deslocamento mais complicado entre 21 das principais capitais brasileiras. A conclusão está em estudo desenvolvido pelo pesquisador da Universidade de Brasília (UnB) Valério Medeiros.

Medeiros avaliou como a forma das cidades condiciona a mobilidade. A partir da identificação de rotas em que é possível a passagem de veículos, o pesquisador calculou o chamado "valor de integração" de cada cidade, com o auxílio de um software. Foram levadas em consideração a organização e a conexão das ruas.

No primeiro momento, os dados levantados foram das cidades brasileiras com mais de 300 mil habitantes. Na sequência, os dados foram confrontados com os obtidos em 164 cidades do mundo. A comparação foi feita na Universidade de Londres, onde a forma de abordagem do estudo foi criada.

- As cidades brasileiras foram as piores no contexto mundial. Uma das grandes contribuições para isso foi o processo de crescimento urbano sem planejamento global das cidades nas décadas de 1960 e 1970. Isso criou uma "colcha de retalhos", com desenhos diferentes entre os bairros. Ao longo do tempo, os pedaços não foram costurados, causando segregação espacial e perda de área nos deslocamentos - ressaltou o autor da pesquisa.

Quanto menor o valor do índice de mobilidade, mais labiríntica a cidade e, consequentemente, mais difícil o deslocamento de carro. Com a pontuação de 0,199, Florianópolis ficou bem à frente da segunda colocada, Rio de Janeiro, com 0,303. Porto Velho foi considerada a capital do Brasil com melhor mobilidade, com índice 1,458. No mundo, Florianópolis só perde para a cidade de Phuket, na Tailândia.

Explicações

Para o autor do estudo, o principal motivo das dificuldades em ir e vir de carro em Florianópolis é a geografia. O espaço em que a cidade cresceu tem muitos morros, montanhas, lagoas e dunas, o que causou a não-continuidade da malha viária. A falta de conexões entre os bairros gerou um mapa fragmentado.

O pesquisador sugere duas estratégias para amenizar o problema. A primeira seria criar novas ligações entre o Continente e a Ilha. A segunda é promover a integração entre vários meios de transportes.

Além disso, o estudioso avalia ser importante que as pessoas utilizem ciclovias para pequenos trajetos.

Ipuf destaca necessidade de planejamento

O presidente do Instituto de Planejamento Urbano de Florianópolis (Ipuf), Átila Rocha, ainda não conheceu detalhes da pesquisa, mas acredita que as conclusões tenham que ser analisadas com cuidado.

- A princípio me parece exagerado. A gente sabe que tem cidades do mundo e do Brasil com sistema de tráfego bastante complicado. Mas não resta dúvida de que temos sérios problemas de mobilidade urbana, que exigem planejamento e obras para que se consiga dar vazão ao fluxo que já temos.

Rocha também critica a falta de investimentos no planejamento da cidade desde a década de 70, destacando que as discussões sobre o novo plano diretor começaram somente em 2006.

- Estamos também discutindo o plano de gerenciamento costeiro, o plano municipal de saneamento básico e o plano habitacional. Florianópolis não tinha planejamento. Uma cidade com essas características, se não investir em planejamento, vamos ter um índice de qualidade de vida menor do que temos hoje.

Veja mais informações na matéria da RBS TV

Deixe seu comentário:

publicidade

Navegue por
© 2018 NSC Comunicação
Navegue por
© 2018 NSC Comunicação