nsc
    dc

    publicidade

    Justiça

    Funerária terá que pagar dano moral por velar mulher de pijama em Araranguá, Sul de SC

    TJSC fixou em R$ 15 mil a indenização por danos morais 

    22/10/2019 - 12h16 - Atualizada em: 22/10/2019 - 22h11

    Compartilhe

    Por Lariane Cagnini
    Mulher foi velado com pijama e fralda geriátrica usada
    Mulher foi velado com pijama e fralda geriátrica usada
    (Foto: )

    Uma funerária de Araranguá, no Sul de Santa Catarina, terá que pagar danos morais por ter velado uma mulher com o pijama do hospital. O Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC) fixou a indenização em R$ 15 mil, devido ao constrangimento passado pelo homem durante o sepultamento da mãe dele.

    Segundo o processo, a empresa foi contratada para prestar os serviços funerários, porém a família foi surpreendida com um péssimo atendimento. O caixão não estava decorado, e além de liberar o corpo para o funeral com o pijama do hospital, a senhora também estava com uma fralda geriátrica usada.

    A decisão partiu da 3ª Câmara Civil do TJ, em matéria sob a relatoria do desembargador Marcus Túlio Sartorato.

    O órgão julgador manteve a condenação de 1º Grau, mas decidiu majorar a quantia de indenização, anteriormente arbitrada em R$ 8 mil, para o valor de R$ 15 mil.

    O desembargador Sartorato apontou que não há dúvidas de que o autor da ação, filho da falecida, sofreu situação que ultrapassou o mero aborrecimento do cotidiano.

    Na decisão, ele destacou que "em um momento de extrema vulnerabilidade, no qual a única preocupação que deveria ter é despedir-se de sua mãe, teve que entrar em contato com a ré para que esta providenciasse uma cerimônia minimamente adequada, com a assepsia da de cujus e a decoração do caixão".

    Leia as últimas notícias do NSC Total​

    ​​​Ainda não é assinante? Assine e tenha acesso ilimitado ao NSC Total, leia as edições digitais dos jornais e aproveite os descontos do Clube NSC

    Deixe seu comentário:

    publicidade

    publicidade

    publicidade

    publicidade