nsc
    dc

    publicidade

    Miami

    Furacão Patricia perde força e atinge México com ventos de 120 km/h

    24/10/2015 - 07h24 - Atualizada em: 18/11/2015 - 05h16

    Compartilhe

    Por Redação NSC

    O furacão Patricia, que entrou na noite de sexta-feira com força na costa mexicana do Pacífico, tornou-se mais fraco na madrugada de sábado, segundo o último informe do Centro Nacional de Furacões dos Estados Unidos (NHC na sigla em inglês).

    Às 7h (de Brasília), o furacão Patricia deslocava-se rumo ao norte-nordeste a cerca de 33 km/h com "ventos máximos sustentados de quase 120 km/h com rajadas mais fortes", o que representa um furacão de categoria 1 na escala de Simpson Saffir, afirmou o boletim.

    A previsão é de que o furacão continue perdendo força e transforme-se numa tempestade tropical na manhã deste sábado, enquanto move-se rapidamente rumo ao norte e nordeste do México, para dissipar-se à noite, diz ainda o NHC.

    Os ventos se estendem por cerca de 35 quilômetros desde o centro e os ventos com força de tempestade tropical a cerca de 465 quilômetros.

    A expectativa é que Patricia continue produzindo intensas chuvas sobre os estados mexicanos de Nayarit, Jalisco, Colima, Michoaca e Guerrero ao longo do sábado, que poderiam provocar inundações perigosas e deslizamentos de terra.

    O governo do México suspendeu o alerta de tempestade tropical no oeste de Manzanillo.

    "Embora Patricia esteja perdendo força rapidamente, os fortes e perigosos ventos podem continuar ao longo de toda a manhã" de sábado, alertou o NHC.

    Antes de tocar a terra - às 18h15 locais (21h15 de Brasília) de sexta-feira, com ventos sustentados de 270 km/h - o furacão havia registrado ventos sustentados de 325 km/h, tornando-se o maior registrado na história, superando inclusive o tufão Haiyan que devastou as Filipinas em novembro de 2013, o que havia ativado os alertas no México.

    As autoridades evacuaram turistas e moradores das áreas costeiras ameaçadas antes da chegada do furacão, anunciado como potencialmente "catastrófico".

    * AFP

    Deixe seu comentário:

    publicidade

    publicidade

    publicidade

    publicidade