nsc

publicidade

Ajuda

Garoto de três anos precisa de doador de medula óssea em Jaraguá do Sul

Henrique Neitzke descobriu que está com leucemia em maio deste ano. Seus pais e irmã não são compatíveis para o transplante

07/07/2015 - 16h01

Compartilhe

Por Redação NSC
Garoto de três anos precisa encontrar um doador de medula óssea
Garoto de três anos precisa encontrar um doador de medula óssea
(Foto: )

A rotina de uma família jaraguaense mudou por completo quando Henrique Neitzke, de três anos, foi diagnosticado com um tipo raro de leucemia em maio deste ano.

Na semana passada, outro exame trouxe ainda mais apreensão: os pais e a irmã mais velha não são 100% compatíveis para o transplante de medula óssea. Agora, a criança está à espera de um doador compatível.

Leia mais notícias sobre Jaraguá do Sul e região

Apesar das dificuldades, o pilar que tem sustentado a família Neitzke é o próprio garoto, que enfrenta a doença com um sorriso no rosto.

O drama de Henrique começou em fevereiro, quando apresentou os primeiros sinais da doença. Após passar mal, um exame apontou que seu baço e fígado estavam inchados. O primeiro resultado deu negativo para leucemia, e ele pôde voltar para casa. Segundo a mãe do menino, Sandra Regina Fridrich Neitzke, dois meses depois, próximo do Dia das Mães, Henrique foi levado ao hospital com uma hemorragia no umbigo. De Jaraguá do Sul, ele foi transferido para Joinville, onde foi confirmada a doença. Desde que a leucemia foi descoberta, Henrique já ficou internado três vezes. Na semana passada, recebeu alta e retornou para a casa da família.

- Ele é bonzinho. Entende que tem que tomar remédio, só chora quando leva injeção - diz Sandra.

O garoto já passou por mais de dez sessões de quimioterapia e teve reações alérgicas ao tratamento, revela Sandra. A mãe conta que ele ficou mais de 30 dias internado - o motivo foi uma forte gripe que baixou a imunidade de Henrique. Durante os dias no hospital, o garoto teve altos e baixos. Segundo a mãe, em alguns dias estava mais disposto, brincava e assistia a desenhos, mas em outros, só queria dormir ou acordava chorando.

- O Henrique sabe que está doente, mas não entende a gravidade da doença. Por isso, ele consegue transmitir uma boa energia e nos ajuda a enfrentarmos esse momento. Não é fácil ver seu filho passando por isso.

Aumenta número de doadores

A família começou uma campanha para encontrar um doador para Henrique. Segundo Sandra, a mobilização também serve para ajudar outras pessoas que enfrentam o mesmo problema que Henrique. Ela tem esperança de que a comoção das pessoas resulte em mais vidas salvas.

- Caso não encontremos um doador, que precisa ter entre 90% a 100% de compatibilidade, vamos tentar com a irmã de Henrique, Letícia. O médico não garantiu sucesso, mas é a alternativa mais próxima que temos. A compatibilidade é de 70% - conta Sandra.

Com a campanha de Henrique, o Hemosc de Jaraguá do Sul passou a cadastrar cem pessoas por dia, segundo o médico responsável pela unidade, Manuel Thomaz Silveira. Antes da união das pessoas, a media de cadastro não chegava a um por dia.

O cadastro vale para todo o território brasileiro e também é compartilhado com outros países. Silveira destaca que, para a corrente de doações continuar, é fundamental as pessoas cadastradas atualizarem telefone e endereço para que sejam encontradas quando o paciente compatível aparecer.

- A chance de encontrar um doador é uma em 100 mil. Quanto mais doadores, mais fácil de achar alguém compatível - destaca Silveira.

Para ser um doador, é necessário realizar um cadastro no Hemocentro. A unidade jaraguaense fica anexa ao Hospital São José e atende das 7 às 16 horas. A pessoa deve ir à unidade e retirar uma senha para aguardar o atendimento. Outras informações podem ser obtidas pelo telefone (47) 3055-0454.

Como se tornar um doador de Medula Óssea

Deve-se ter entre 18 e 55 anos de idade e estar saudável;

z Será retirada uma pequena quantidade de sangue (5 ml);

z O sangue será tipado por HLA, que é um exame de laboratório para identificar sua característica genética;

z O tipo de HLA será colocado no Registro Brasileiro de Doadores Voluntários de Medula Óssea (Redome);

z Quando aparecer um paciente, sua compatibilidade será verificada;

z Se for compatível, outros exames de sangue serão necessários;

z Se a compatibilidade com o paciente for confirmada, você será consultado para decidir quanto a doação;

z Seu atual estado de saúde será avaliado;

z Procure o Hemocentro ou Banco de Sangue mais próximo a sua residência e cadastre-se como doador de medula.

Deixe seu comentário:

publicidade