publicidade

Foi contratado

Guincho fica de prontidão para atuar 24 horas por dias nas pontes em Florianópolis

O serviço foi contratado de forma emergencial, sem licitação, por R$ 24 mil mensais e prazo de 180 dias 

14/03/2019 - 12h05

Compartilhe

Por Leonardo Thomé
Esta quinta-feira marca a estreia do guincho nas pontes depois de dois episódios em que a cidade parou por não ter o veículo
(Foto: )

Após uma semana que começou com o trânsito de Florianópolis parado por causa de um ônibus quebrado na alça de saída da Ponte Pedro Ivo Campos, a Prefeitura da Capital enfim contratou um guincho para ficar 24 horas por dia de prontidão junto às cabeceiras dos únicos acessos terrestres que ligam a Ilha ao Continente.

O serviço foi contratado de forma emergencial, sem licitação, por R$ 24 mil mensais e prazo de 180 dias ou menos, caso antes seja concluída a contratação via edital de chamamento público de uma empresa para assumir o serviço através de convênio com o município.

Segundo o prefeito Gean Loureiro, o caminhão guincho vai ficar posicionado na cabeceira continental durante a manhã e na ilha durante a tarde e noite. O guincho tem capacidade para remover veículos pesados.

— Teremos um custo de R$ 24 mil reais mensais, arcados totalmente pela prefeitura de Florianópolis. O guincho estará disponível todos os dias, inclusive nos fins de semana, e também vai disponibilizar atendimentos na Ilha, devido à dificuldade de deslocamento de Palhoça até o local — disse o prefeito.

O guincho deverá tirar o veículo parado do local e levá-lo até um recuo para não complicar o trânsito. A partir desse momento, o proprietário fica responsável em removê-lo até uma oficina ou outro ponto. O motorista não precisará pagar pela remoção de algum lugar da ponte até o ponto de recuo, que ficarão no entorno das estruturas.

Como se trata de um contrato emergencial, a prefeitura já trabalha com outra alternativa: um edital de chamamento público, para atrair empresas que queiram oferecer gratuitamente o serviço. Elas poderão explorar a publicidade junto ao guincho, localizado em ponto de grande visibilidade e alto impacto. A expectativa do município é concluir o procedimento de seleção em um prazo menor que 180 dias.

Na manhã desta quinta-feira, o guincho já estava parado na cabeceira continental das pontes. Um dos três motoristas necessários para cumprir a jornada diariamente também fazia plantão no local. Os postos da Polícia Militar nas cabeceiras, cujas estruturas serão usadas pelos operadores do guincho para refeições e uso do banheiro, ainda estavam fechados na manhã desta quinta. À tarde, eles devem ser abertos, informou o operador do guincho.

Grupo gestor do trânsito se reúne na próxima terça-feira (19)

Bases da PM nas cabeceiras servirão de estrutura para os operadores do guincho
Bases da PM nas cabeceiras servirão de estrutura para os operadores do guincho
(Foto: )

A contratação do serviço foi prometida por Gean Loureiro após o problema da última segunda-feira (11), quando um ônibus com problemas mecânicos na saída da ponte Pedro Ivo causou um caos no trânsito na região continental. A remoção do veículo demorou cerca de quatro horas, com o guincho saindo de Palhoça e seguindo por vias congestionadas para chegar no local.

Ainda segundo o prefeito, uma equipe permanente de avaliação de trânsito de Florianópolis foi formada com autoridades ligadas à infraestrutura de transportes e à segurança pública. O grupo deverá se reunir na próxima terça-feira (19).

— Independente de a rodovia ser federal ou estadual, o prefeito tem responsabilidade sobre o município — declarou Gean Loureiro.

Deixe seu comentário:

publicidade