nsc
an

Segurança

Homem acusado de matar a ex-namorada em Joinville vai a júri popular nesta quarta-feira

Luana Rutzen tinha 22 anos quando foi assassinada; a mãe dela também foi baleada ao tentar protegê-la

19/02/2020 - 09h49 - Atualizada em: 20/02/2020 - 12h22

Compartilhe

Cláudia
Por Cláudia Morriesen
foto mostra a jovem luana, vítima do crime
Luana havia vivido um relacionamento com o acusado, que não aceitou o fim do namoro
(Foto: )

Um dos casos de feminicídio registrados em Joinville em 2019 terá um encerramento nesta quarta-feira (19), quando o acusado pela morte de Luana Rutzen, de 22 anos, irá a júri popular. O julgamento começará às 13 horas, na Comarca de Joinville, presidido pelo juiz Gustavo Henrique Aracheski. O promotor de Justiça, que apontará as acusações, será Marcelo Sebastião Netto de Campos.

O acusado é um homem de 31 anos. Quando cometeu o crime, ele estava em liberdade provisória com uso de tornozeleira eletrônica pelos crimes de ameaça e porte ilegal de armas. Além disso, ele também tinha antecedentes criminais por tentativa de homicídio e homicídio.

O crime ocorreu em 29 de abril, na Rua dos Portugueses, no bairro Vila Nova. Luana estava sentada na varanda de casa com a mãe quando Marcelo chegou. Eles discutiram e ele atirou contra a cabeça da ex-namorada. Se encaminhou para deixar o local, retornou, e fez mais dois disparos, que atingiram a mãe da jovem, Iliane Aparecida dos Santos, de 45 anos. Ela foi encaminhada para o Hospital São José pelo helicóptero da Polícia Militar e sobreviveu ao crime.

Depois do crime, o homem fugiu do local em um Fiat Palio na cor prata. Ele rompeu a tornozeleira eletrônica com uma faca por volta das 14h35, logo após o crime, e chegou a ser considerado foragido pela polícia por estar em "estado flagrancial" do ato. Fotos dele foram divulgadas para colaborar nas buscas e a prisão ocorreu um dia após o ataque, na casa da irmã do acusado.

Segundo acusação do Ministério Público, o crime foi motivado pelo acusado porque ele não aceitava o fim do relacionamento. Ele será julgado por feminicídio, que é um crime de homicídio com um qualificador, já que ele tinha um relacionamento com a vítima, e por tentativa de homicídio contra a ex-sogra.

O caso de Luana foi um dos quatro casos de feminicídio em Joinville em 2019. Além dela, Andreia Messias da Luz, de 41 anos, foi morta pelo ex-marido em 18 de janeiro; a menina Helloyse Gabriele Francisco dos Santos, de um ano e 11 meses foi morta pelo padrasto em 20 de dezembro e a jovem Gabriella Custódio Silva, de 21 anos, foi morta pelo companheiro. O acusado pela morte de Gabriella irá a júri popular em 24 de março.

Deixe seu comentário:

Últimas notícias

Loading interface... Todas de Polícia

Colunistas