nsc
    dc

    Mundo da Gurizada

    Hora de tirar as fraldas: confira dicas para encarar o desafio sem traumas para pais e filhos

    Com a proximidade do verão e as temperaturas em elevação, o momento é o mais apropriado para iniciar o desfralde dos pequenos

    10/11/2017 - 15h04 - Atualizada em: 10/11/2017 - 15h06

    Compartilhe

    Por Redação NSC

    Atenção, mamães que estão pensando em tirar as fraldas dos filhotes! Com a proximidade do verão e as temperaturas em elevação, o momento é o mais apropriado para iniciar o desfralde dos pequenos. Isso porque menos roupa significa mais conforto e agilidade — elemento fundamental na hora em que os pitocos sinalizam que o xixi ou cocô está a caminho. Mas, antes de tudo, saiba que será preciso muita paciência, criatividade e respeito ao tempo de cada criança. Com as orientações do pediatra Paulo Roberto Einloft, do Hospital da Puc, em Porto Alegre, confira dicas para encarar o "treinamento" do seu pimpolho com naturalidade e sem traumas.

    Quando começar

    O pediatra indica que as primeiras tentativas de desfralde comecem entre os dois e três anos da criança. Antes disso, explica Paulo, ela não tem condições de controlar a urina e as fezes. Mas é importante ter em mente que cada uma tem o seu ritmo, por isso, comparações, inclusive entre irmãos, são inúteis e só trazem uma angústia desnecessária.

    — Às vezes, os pais ficam frustrados ao ver que os filhos de amigos já tiraram as fraldas e o deles ainda não. Temos que respeitar a individualidade de cada criança e entender que não é do dia para a noite que ela vai conseguir. É um treinamento que exige dedicação — argumenta o médico.

    O primeiro passo é ficar atento aos sinais que a criança dá, como se queixar quando estiver com a fralda suja ou avisar que vai fazer as necessidades. Algumas se escondem em um cantinho da casa e se abaixam quando querem fazer cocô, mostrando estão prontas para começar o desfralde.

    Mãos à obra

    Está na hora? Vai começar? Então, anote uma regra básica: jamais brigar, criticar ou dizer que é feio a criança fazer xixi ou cocô, mesmo que ela faça na roupa. Muito menos repreender.

    — A criança precisa encarar esse processo com naturalidade. Não se pode traumatizar o filho e fazer com que ele veja uma necessidade fisiológica como algo sujo, errado e ruim — aponta Paulo.

    Sendo assim, comece estimulando o pequeno a falar quando está com vontade. Não vai ser de primeira que ele conseguirá, por isso, é um mantra a ser repetido incansavelmente.

    Experimente fazer o controle, primeiro, durante o dia, e só depois à noite. Ficará mais fácil se ele se acostumar com a prática ao longo de um determinado turno. Em geral, as crianças controlam a urina primeiro e depois as fezes. E para quem já ouviu falar que as meninas tiram as fraldas primeiro que os meninos, o pediatra confirma: não é lenda!

    — É mais fácil pra elas, porque se trata de um aprendizado único: sentar e deixar vir tudo o que tiver vontade de fazer. Já os gurizinhos tem que aprender a fazer o xixi de pé e ainda sentar pra fazer cocô. São dois procedimentos.

    Criatividade como aliada

    Algumas estratégias e uma boa dose de criatividade podem tornar o processo mais atrativo para a criançada e facilitar o desfralde. Anote aí:

    /// Apresente o penico à criança. Existem diferentes modelos — coloridos, com bichinhos — que chamam a atenção dos pequenos e estimulam o interesse.

    /// É importante que a mãe ou o pai esteja ao lado da criança quando ela estiver no peniquinho. Vale segurar a mão, fazer barulhinho de água e até abrir uma torneira funciona para "chamar" o xixi.

    /// Crianças não têm paciência e logo levantam, mesmo sem terem feito nada. É normal, começa assim mesmo. Apesar disso, não deixe de lavá-la quantas vezes ela pedir até o penico.

    /// Tirar as fraldas é um aprendizado para os pequenos. Existem boas opções de livrinhos bastante atrativos, com ilustrações e historinhas sobre o tema. Lance mão deles para fazer a criança entender pelo que está passando e sentir vontade de reproduzir o que vê nas histórias.

    /// Pais têm que ter atitude ativa: incentive, questione se o filho está com vontade. Se passar algumas horas e ele não fez nada, leve até o penico e fique lá com ele até que faça.

    /// Quando ela conseguir, valorize: comemore, bata palmas, parabenize a criança pela conquista.

    Deixe seu comentário:

    Últimas notícias

    Loading... Todas de Saúde

    Colunistas