nsc
santa

Pandemia

Hospital de Blumenau volta a proibir visitas a pacientes devido ao aumento de casos de coronavírus

Visitas voltaram a ser permitidas em setembro, depois de seis meses proibidas

16/11/2020 - 12h50

Compartilhe

Bianca
Por Bianca Bertoli
Visitação já havia sido suspensa durante a pandemia
Visitação já havia sido suspensa durante a pandemia
(Foto: )

Com o aumento no número de casos de coronavírus em Blumenau, o Hospital Santa Isabel decidiu voltar a suspender as visitas hospitalares a partir desta terça-feira (17), além das atividades acadêmicas, curso de gestantes e visitas técnicas. A princípio, a medida deve durar 14 dias, mas ao final desse período a direção fará uma nova avaliação para definir se prorroga a mudança ou não. As visitas foram proibidas no começo da pandemia, em março, mas retomadas em setembro

> Clique aqui para receber notícias do Vale do Itajaí pelo WhatsApp.

A decisão foi tomada não só pelo crescimento no número de casos como também no de internação por conta da Covid-19. A partir de agora, para passar o quadro clínico dos pacientes, o hospital retoma os boletins informativos repassados por telefone. A ligação será feita a partir das 14h para o familiar registrado na ficha de internação hospitalar como responsável pelo doente. 

Ao paciente que necessitar de acompanhante, o serviço sofre alteração: a partir desta terça serão permitidas duas trocas por dia, a cada 12 horas, entre 8h e 20h. Se houver possibilidade, a instituição pede que a troca seja feita a cada 24 horas, para diminuir o fluxo de pessoas dentro do ambiente hospitalar.

Têm direito a acompanhantes pacientes menores de 18 anos e acima de 60 anos, portadores de necessidade especiais e gestantes, ou a critério da equipe multidisciplinar respeitando o seguinte protocolo: o acompanhante deve ser maior de 17 anos e menor de 60 anos; não deve apresentar sinais e sintomas de doenças respiratórias, nem ter contraído Covid-19 nos últimos 20 dias ou morar com alguém que está em tratamento ou com suspeita da doença. Na UTI, UCO e Serviço de Emergência não pode haver acompanhamento. 

Colunistas