nsc
santa

Saúde

Hospital Santo Antônio faz campanha para construir ala oncológica pediátrica; saiba como ajudar

Unidade é referência no atendimento pelo SUS, mas não conta com setor específico para esses atendimentos 

25/09/2019 - 10h43 - Atualizada em: 25/09/2019 - 13h37

Compartilhe

Redação
Por Redação Santa
Na manhã desta quarta-feira (25), crianças gravaram vídeo convidando a comunidade a contribuir
(Foto: )

O Hospital Santo Antônio, em Blumenau, está em campanha para arrecadar recursos. O objetivo agora é construir uma ala para tratamento de crianças com câncer. A unidade é referência nesse tipo de atendimento para 14 municípios do Vale do Itajaí, mas não conta com setor específico para acomodar aquelas que precisam de internação.

A ideia é sensibilizar empresários e comunidade para tirar a obra do papel. Doações por meio do Imposto de Renda e eventos como Jantar Dourado são alguns dos caminhos que a direção encontrou para viabilizar a construção. A supervisora do setor oncológico, Heloísa Alves, explica que uma conta foi aberta para reunir todo o dinheiro destinado ao projeto.

- Temos 28 leitos pediátricos. Eles recebem crianças com todos os tipos de doença. Acontece que uma criança com câncer tem a imunidade mais baixa e precisa de uma ala separada. É isso que não temos. Então tiramos sete dos leitos pediátricos para receber esses pacientes, o que afeta o atendimento dos dois lados – explica Heloísa.

O Hospital Santo Antônio tem duas propostas para nova ala. Uma é construir a estrutura do zero, nos fundos da unidade. Outra possibilidade é readequar uma área desativada onde atualmente há um depósito. Para cada projeto, um valor diferente - estima-se entre R$ 3 milhões e 10 milhões - e autorizações distintas de órgãos públicos, por se tratar de obra às margens do Rio Itajaí-Açu.

Nas duas propostas e ideia é criar 23 leitos. Essa quantidade atenderia a alta demanda que temos e ainda teríamos a possibilidade de abranger a cobertura do serviço para até 50 cidades da região. Mas para isso também precisamos do apoio dos governantes – pontua a supervisora que acredita no apoio da comunidade, porém reforça a necessidade de aporte do governo do Estado para a obra se tornar realidade.

Sofia, de quatro anos, sente na pele a falta de um espaço adequado para o tratamento durante a internação. Há seis meses ela foi diagnosticada com leucemia, um dos cânceres com maior incidência entre os casos atendidos pelo Hospital Santo Antônio. Atualmente, a pequena faz quimioterapia duas vezes por semana e não precisa ficar na unidade por dias. Entretanto, quando a internação é necessária, surge um problema:

- Uma das primeiras coisas que ela fala é que quer ir na sala da professora, só que muitas vezes a Sofia não pode, pois lá tem outras crianças e como a imunidade está baixa não é bom esse contato para evitar pegar outras doenças. Só que às vezes a criança fica 15 dias internada e 24h dentro do quarto é cansativo. Porque apesar do tratamento, são crianças muito ativas, não querem só ficar deitadas – defende Ângela Melo de Liz, mãe de Sofia.

Começa a venda de ingressos para o Jantar Dourado 2019, que vai arrecadar dinheiro para ala oncológica pediátrica em Blumenau

Mobilização

Crianças gravam vídeo convidando comunidade a ajudar

Sobre o câncer infantil

O câncer na criança e no adolescente representa de 1% a 3% de todos os casos da doença diagnosticados. O Instituto Nacional do Câncer (INCA) estima a ocorrência de mais de 12 mil novos casos anualmente entre zero e 19 anos. Segundo a Sociedade Brasileira de Pediatria, o câncer representa a primeira causa de óbito por doença nessa faixa etária. Porém, em torno de 80% das crianças e adolescentes acometidos da doença podem ser curados, se diagnosticados precocemente e tratados em centros especializados.

Colunistas