nsc

publicidade

Apreensão recorde

Investigação sigilosa busca responsáveis por maior carga de cocaína apreendida em SC

Pesagem final totalizou 811 quilos da droga localizados em blocos de granito que seguiriam para a Espanha.

08/05/2016 - 13h35

Compartilhe

Por Redação NSC
(Foto: )

A pesagem final da carga de cocaína apreendida na sexta-feira no Porto de Navegantes, no litoral Norte, contabilizou 811 quilos da droga e os responsáveis pela exportação são da região Sul do Brasil.

Os dados são da chefia da Alfândega da Receita Federal de Itajaí, que atua em conjunto com a Polícia Federal (PF) em uma investigação sigilosa para descobrir quem está por trás daquela que é a maior apreensão de cocaína da história do Estado e uma das maiores do país.

Havia 751 tabletes de pasta-base de cocaína — o que pode render ainda mais quantidade após a preparação — acondicionados em fundos preparados em três blocos de granito. Faziam parte do mesmo lote oito pedras, que são consideradas exóticas e seriam exportadas para a Espanha. Todas foram abertas, mas em cinco delas não havia a droga.

(Foto: )

O inspetor-chefe da Receita Federal em Itajaí, Luis Gustavo Robetti, explicou que a carga estava na região há poucos dias, era monitorada pela equipe e embarcaria no dia 11 para o exterior. Ninguém foi preso. Para não atrapalhar a investigação, a Receita não divulgou o nome da empresa responsável pela exportação dos contêineres.

— Existe uma investigação em andamento diante de outras exportações de pedras. O que posso dizer é que se trata de um esquema altamente profissional e especializado — disse Robetti, que após a apreensão recebeu telefonemas de colegas do Brasil informando de outras exportações com características semelhantes.

(Foto: )

Foram utilizados scanners e o cão farejador Lobo, do 1º Batalhão da Polícia Militar de Itajaí, que prestou apoio à operação. A ação envolveu equipes da Divisão de Repressão, Escritório de Inteligência na 9ª Região Fiscal (PR e SC) e a Vigilância e Repressão da Alfândega da Receita Federal do Porto de Itajaí. A carga com os 811 quilos de cocaína foi enviada para a PF em Itajaí.

Milhões em rota de passagem

Conforme o Diário Catarinense apurou, SC tem sido nos últimos anos rota de passagem por portos de grandes carregamentos milionários de cocaína enviados por carteis internacionais de traficantes à Europa.

(Foto: )

A cocaína é trazida de países da América do Sul, como Bolívia e Colômbia, via Paraguai. Geralmente entra no Estado por carros, caminhões e ônibus, mas há suspeita que também seja arremessada de aviões. Depois, segue para o destino final em dois meios investigados: lançada pelo mar de forma clandestina em grandes navios ou disfarçada em contêineres com outros materiais que são exportados.

Deixe seu comentário:

publicidade