nsc
hora_de_sc

NOVAS DILIGÊNCIAS

Investigação sobre estupro e tortura de jovem em Florianópolis requer complementação, diz MPSC

Inquérito foi encerrado ainda em julho, mas retornou à Polícia Civil, que deve esclarecer informações

23/08/2021 - 18h15 - Atualizada em: 23/08/2021 - 18h34

Compartilhe

Clarissa
Por Clarissa Battistella
Vítima ficou hospitalizada por cerca de uma semana à época dos fatos
Vítima ficou hospitalizada por cerca de uma semana à época dos fatos
(Foto: )

O Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) solicitou novas diligências à Polícia Civil sobre os supostos crimes de estupro e tortura contra um jovem homossexual em Florianópolis. O caso foi registrado em 31 de maio, e a conclusão do inquérito, que segue em sigilo, ocorreu em 14 de julho. Segundo o órgão, é necessário "esgotar alguns caminhos da investigação".

Receba as principais notícias de Santa Catarina no WhatsApp

As complementações foram requeridas pelo MPSC um dia após a conclusão do inquérito, conforme o G1 SC. As informações não tinham sido apresentadas pela polícia até esta segunda, no entanto. 

Procurado pelo Hora de Santa Catarina, o delegado Verdi Furlanetto, responsável pelo caso, se limitou a dizer que as informações seguem sob sigilo. O estado atual de saúde da vítima também não foi informado.

À época da ocorrência, a Delegacia de Proteção à Criança, ao Adolescente, à Mulher e ao Idoso (Dpcami) informou ter recebido uma denúncia de que um jovem de 22 anos teria sido estuprado e torturado, além de ter dizeres homofóbicos marcados no corpo pelos criminosos. 

Desde então, a polícia apenas confirmou que aguardava resultado de perícias solicitadas. Novos detalhes sobre o caso, no entanto, não foram revelados.

O que significa LGBTQIA+?

Homens que deram 25 facadas em mulher trans são condenados em Içara

A Ordem dos Advogados do Brasil de Santa Catarina (OAB), por meio das comissões de Direito Homoafetivo e Gênero e do Direito da Vítima, se manifestou em maio. A presidente da comissão, Margareth Hernandes, chegou a sofrer ataques nas redes sociais pelo posicionamento assumido. 

Nesta segunda-feira, Margareth informou ao G1 SC que a OAB segue acompanhando o caso.

Leia também

Professor de Rio Negrinho deixa a cidade após ataque por trabalho sobre diversidade em escola

ELA FAZ HISTÓRIA: conheça a primeira trans na PMSC

28 de junho: como é ser LGBTI em Santa Catarina?

“Quero deixar meu legado e ajudar pessoas” diz gêmea trans que fez mudança de sexo em Blumenau

Colunistas