nsc

publicidade

AN Portal

Jefferson Saavedra: Exportações têm queda de 16% em Joinville

Nos últimos 12 meses, as indústrias responsáveis pelas exportações demitiram 5,1 mil

12/08/2015 - 05h07 - Atualizada em: 12/08/2015 - 17h00

Compartilhe

Por Redação NSC

O desempenho das exportações de Joinville em julho, ainda que o câmbio não esteja desfavorável, foi o pior nos últimos dez anos. Em julho, foram US$ 72,6 milhões em vendas ao exterior. Na última década, só em julho de 2005 foi pior, com US$ 71,6 milhões.

Apenas para comparar, em julho de 2010, no auge da recuperação da crise iniciada em novembro de 2008, as empresas joinvilenses conseguiram vender US$ 193 milhões lá fora.

No acumulado de agora, entre janeiro e julho, Joinville exportou US$ 633 milhões, uma queda de 16% em relação ao mesmo período do ano passado. As importações ficaram em pouco mais de um bilhão de dólares no período.

Nos últimos 12 meses, as indústrias de Joinville, responsáveis pelas exportações, demitiram 5,1 mil trabalhadores.

Leia outras colunas de Jefferson Saavedra

Recurso

A Câmara de Joinville deverá recorrer da liminar que manda abrir ou votar de novo a comissão processante contra o prefeito Udo Döhler. A decisão judicial foi tomada em ação que questionou a exigência de dois terços dos votos para aprovação.

Insalubridade

Na sessão desta terça, Adilson Mariano entrou ontem com pedido de CPI para apurar o edital para fazer laudo sobre a insalubridade no Hospital São José. Para o vereador, faltou exigência sobre critérios biológicos. Foi esse laudo que recomendou corte na insalubridade de 107 servidores do hospital. Nesta quarta será analisado se comissão será aberta.

Encontro

Na tarde desta terça, em reunião extraordinária, Udo Döhler conversou com seus secretários para abordar as ações administrativas, que não estariam sofrendo interferência, apesar das turbulências na Câmara de Vereadores, com repercussão na Justiça.

Queixa do efetivo

Presente na Câmara de Joinville na sessão de ontem, o promotor Ricardo Paladino insistiu no aumento do efetivo policial, especialmente para a investigação. Paladino cobrou uma delegacia especializada em apuração de homicídios, semelhante à instalada em Florianópolis.

Reclamação

Mauricinho Soares (PMDB) reclamou ontem de deputados estaduais que querem sair candidatos a prefeito de Joinville que "não lutam por segurança". Seriam parlamentares do "partido do governador".

Mais uma decisão na saúde

Em liminar publicada na semana passada, a Justiça determinou, em primeira instância, que o governo do Estado e a Prefeitura de Joinville acabem com a fila da vitrectomia (correção de vários problemas oftalmológicos). O plano tem de ser montado em até 120 dias. Cabe recurso.

Saída

Depois da instalação de posto da Guarda Municipal na rodoviária de Joinville, moradores de rua deixaram de usar o terminal como abrigo. Conforme a Secretaria de Proteção Civil, não houve imposição dos guardas, apenas conversa.

Estimativa

Um dos movimentos de organização dos protestos de domingo em Joinville estima a presença de pelo menos 7 mil pessoas na praça da Bandeira, a partir das 15h. A estimativa é uma média. No 15 de março, eram esperados 5 mil manifestantes e apareceram 20 mil. Na segunda manifestação, foram aguardadas 10 mil pessoas e vieram 3 mil.

MAIS ÁGUA

A Águas de Joinville informou ter iniciado a ampliação da estação de tratamento de água do rio Cubatão, de onde vem dois terços da água consumida na cidade. A obra de R$ 30 milhões é bancada pelo governo federal.

Notificação

Na decisão da 2ª Vara da Fazenda Pública sobre a comissão processante, foi determinada a notificação de Udo Döhler para perguntar se o prefeito queria se manifestar no processo.

Contratação

Udo aceitou e entre os advogados está João Martinelli. Nesse tipo de ação, não podem ser usados procuradores da Prefeitura.

Sem partido

Adilson Mariano informou ontem estar sem partido, embora ainda aguarde resultado de ação na TRE para justificar saída do PT.

Foco da comissão

Se a Câmara de Joinville vier abrir a comissão processante com base no decreto 201/67, será necessário apenas maioria simples, ou seja, onze votos, sem afastamento temporário do prefeito. E o foco da investigação será Udo Döhler e não a falta de medicamentos e fila das especialidades, como quer a CPI.

Os dois terços

Mas se a apuração vier a apontar o prefeito como responsável pelo descumprimento de decisões na área da saúde, serão necessários dois terços dos votos dos vereadores para que o prefeito seja afastado do cargo. Treze votos que a oposição não conseguiu juntar na votação da comissão processante.

Pressa

O PSDB de Joinville não perdeu tempo e mandou ontem para os vereadores a recomendação de repetir o voto a favor da abertura da comissão processante contra Udo. Só que, dessa vez, veio um pedido extra: que na escolha do presidente e relator, os tucanos votem em alguém "reconhecidamente" de oposição.

Recurso

É para evitar que um vereador do PSDB escolha um governista para a presidência, como fez Roberto Bisoni na CPI da Saúde. Os vereadores tucanos mantêm cargos no governo Udo.

Circunstancial

A atuação dos guardas municipais no trânsito será apenas circunstancial, caso seja observada uma infração em frente a uma escola, por exemplo. Essa é a garantia da Secretaria de Proteção Civil e Segurança de Joinville. A participação dos guardas em blitz fez parte de treinamento.

Para delegacias

A atuação em relação ao combate ao crime será o mesmo, apenas em caso de o guarda notar uma irregularidade. Os guardas até podem levar detidos para a delegacia, mas só nos casos em que a PM, chamada, não puder atender. O foco seria a proteção de pessoas e de patrimônio em locais públicos.

Deixe seu comentário:

publicidade