nsc
an

Luto

Joinvilense pai de criança morta no RS diz que não sabia de maus-tratos: "sentimento de impotência"

Mãe do menino confessou à polícia ter medicado e jogado o filho em rio

05/08/2021 - 15h09 - Atualizada em: 05/08/2021 - 17h41

Compartilhe

Hassan
Por Hassan Farias
Miguel dos Santos Rodrigues tinha 7 anos e morava em Imbé (RS)
Miguel dos Santos Rodrigues tinha 7 anos e morava em Imbé (RS)
(Foto: )

O joinvilense João Pedro Ewert, de 28 anos, é pai do menino Miguel dos Santos Rodrigues, de 7 anos, que foi medicado e morto pela mãe em Imbé, no litoral do Rio Grande do Sul. Em entrevista ao portal G1, o morador de Joinville afirmou que não sabia dos maus-tratos sofridos pela criança.

> Acesse para receber notícias de Joinville e região pelo WhatsApp

Segundo o G1, João Pedro não mantinha contato com a criança, mas disse que teve um sentimento de impotência ao descobrir o que havia acontecido com o filho.

- Sentimento de tristeza, de não entender o porque de tamanha crueldade. E também sentimento de impotência quanto ao assunto - afirmou.

João Pedro contou que conheceu a mãe do menino, Yasmin, quando se mudou para o Rio Grande do Sul com a mãe por um período após a morte do pai. Ele morou por um tempo com a ex-namorada quando a mãe voltou para Joinville, mas a relação não teria dado certo e ele também retornou para Santa Catarina.

- Quando eu saí de lá eu não sabia que ela estava grávida, então quando eu já estava pra cá, em torno de uns dois meses, ela descobriu a gravidez. No primeiro instante eu ia assumir, sem problema nenhum, convidei ela pra ir morar pra cá, mas como ela era muito jovem não queria ficar longe dos pais - disse ao G1.

> Mãe abandona crianças para ir jantar e acaba presa em Canoinhas

João Pedro ainda contou que pediu um exame de DNA, mas a mãe de Miguel teria recusado. Isso fez com que os dois se afastassem até que o joinvilense fizesse uma segunda tentativa de contato para reforçar o pedido do exame.

- Ela disse que não. Então, que quando o menino crescesse, ele viesse me procurar, caso ele tivesse interesse de saber quem é o pai ou fazer o teste - afirmou João Pedro.

> Ladrão furta portão de casa e foge de bicicleta em Joinville; veja o vídeo

Joinvilense não tinha convívio com o filho

Com o afastamento, ele não teve nenhum convívio ou contato com Miguel, e também não registrou a criança. Segundo o joinvilense, apenas sua mãe teve um pouco de contato com o neto.

- A última vez que ela falou com o Miguel acho que foi ano passado. O único contato que ela teve (em 2021) foi com a Yasmin, que entrou em contato pedindo dinheiro pra comprar material escolar e que estava se mudando e precisava de dinheiro. Minha mãe enviou ajuda mas não chegou a falar com o Miguel.

Mesmo com a distância e falta de convívio, João Pedro disse ao G1 que, até onde tinha conhecimento, a mãe do menino o tratava bem.

> Jovem decapitado em Balneário Barra do Sul é identificado pelas digitais

Investigações apontam para "intensa tortura física e psicológica"

A Polícia Civil investiga a morte de Miguel, que foi medicado e teve o corpo jogado no Rio Tramandaí, em 29 de julho. Segundo a polícia, a mãe, Yasmin Vaz dos Santos Rodrigues, confessou o crime. Ela e a companheira, Bruna Nathieli Porto da Rosa, estão presas.

As investigações apontam que o menino sofria intensa tortura física e psicológica. Ele era amarrado dentro de um guarda-roupa. A polícia teve acesso a vídeos e prints de conversas em que a companheira conversa com a mãe da criança e com a própria irmã sobre a compra de uma corrente que seria para amarrar o menino.

Leia também:

Grupo é condenado por morte e tortura de adolescentes em Joinville; penas passam de 240 anos

Facção criminosa de Joinville é alvo de operação com foco em presídios

Sérgio Hondjakoff, o Cabeção de "Malhação", era mantido em cárcere privado em clínica, diz polícia; o ator nega

Pode beber depois de tomar a vacina da Covid-19?

Colunistas