nsc
dc

Julgamento

Joinville é punido pelo TJD-SC e perde quatro pontos; clube irá recorrer

Apesar do julgamento, título do Campeonato Catarinense de 2015 continua indefinido

05/05/2015 - 17h20 - Atualizada em: 05/05/2015 - 18h46

Compartilhe

Por Redação NSC
(Foto: )

A comissão disciplinar do Tribunal de Justiça Desportiva de Santa Catarina (TJD-SC) decidiu na noite desta terça-feira punir o Joinville com a perda de quatro pontos e multa de R$ 8 mil por ter relacionado o jogador André Diego Krobel no empate por 0 a 0 com o Metropolitano, na última rodada do Hexagonal Semifinal, sem o atleta ter um contrato profissional - obrigatório para jogadores com 20 anos.

::: Veja como foi a cobertura ao vivo do julgamento

::: Torcida do Figueirense é parada e não chega a julgamento

::: Com caso semelhante ao do JEC, Guarani perdeu pontos no STJD

Krobel fez aniversário no dia 28 de março, 21 dias antes da partida contra o Metrô, por isso quando ficou no banco de reservas em Blumenau ele deveria ter contrato profissional - como determina o artigo 27 do regulamento geral de competições da Federação Catarinense de Futebol (FCF).

Agora, o JEC irá recorrer da decisão levando o julgamento para o Pleno no TJD-SC. O clube tem até três dias para protestar após ser notificado do resultado, o que pode acontecer na quarta-feira. Depois, ainda é possível levar o julgamento ao Superior Tribunal de Justiça, no Rio de Janeiro.

- Vamos recorrer. Tudo indica que a decisão final será no STJD. Isso porque mesmo que o entendimento do Pleno seja diferente do que foi hoje, o Figueirense deve recorrer - explicou o advogado do Joinville, Roberto Pugliese Júnior.

A tese do advogado do JEC surpreendeu a defesa do Figueirense ao tentar provar que o atleta estava regular porque ele estaria inscrito para toda competição, independentemente de ele se tonar profissional durante a competição.

:: Presidente do Figueirense garante luta jurídica pelo título

:: 'Podem até tirá-la, mas no coração tricolor a taça é nossa', diz Nereu

:: JEC empata, fica com a taça e espera tribunal para confirmar título

- O Roberto (Pugliese) trouxe uma tese inovadora e tive que mudar a minha tese no meio do caminho. Ele poderia ter convencido os auditores e mudado o resultado - disse o advogado do Figueirense, Renato Brito.

Próximos passos

1 - Pleno do TJD-SC

O Joinville poderá recorrer ao Pleno, que irá realizar um novo julgamento por outros nove auditores, incluindo o presidente do TJD-SC, Robson Vieira. Novamente serão apresentados os fatos e o Tribunal dará um veredicto. Mais uma vez cabe recurso.

2 - STJD

A última instância esportiva dará o veredicto definitivo. O interessado em contestar a sentença do Pleno do TJD-SC deverá protocolar o pedido no tribunal catarinense. O presidente do TJD-SC vai analisar a documentação e encaminhar para o Rio de Janeiro, onde fica a sede do STJD. Lá o presidente do STJD, Caio Rocha, agendará o novo julgamento, que não tem uma data definida e poderá demorar meses. Nove auditores analisam novamente as evidências e fatos e votam para definir se o JEC perde ou não os quatro pontos.

3 - FCF

Depois de definido se o JEC perdeu ou não os pontos, a FCF tem que decidir o que será feito com o título. Se o Joinville manter os pontos, a Federação pode homologar o título tricolor no dia seguinte. Já no caso do time do Norte do Estado perder os quatro pontos, a FCF poderá decretar o Figueirense campeão ou mesmo remarcar as duas partidas finais invertendo os mandos de campo e as vantagens.

Apenas cinco torcedores do Figueirense comparecem a FCF

A Polícia Militar de Balneário de Camboriú preparou um esquema especial de segurança, pois a torcida do Figueirense prometia comparecer a sede da FCF. Porém, eles nem chegaram a cidade. Dos cinco ônibus preparados pela torcida apenas dois saíram de Florianópolis e ficaram parados na Polícia Rodoviário Federal, em Itapema.

Mas cinco alvinegros apareceram na FCF, todos morados de Balneário, porém foram impedidos de chegar perto da sede da Federação. Mesmo assim, eles comemoraram o resultado e reclamaram da atitude da PM de não deixar eles chegarem perto da FCF.

Colunistas