nsc
dc

Polêmica

Justiça acata denuncia contra cunhado de Ana Hickmann

Denúncia apresentada pelo promotor Francisco de Assis Santiago tem como principal argumentação o fato de Pádua ter sido morto com três tiros na nuca

08/07/2016 - 17h23

Compartilhe

Por Redação NSC
(Foto: )

A Justiça acatou denúncia por homicídio doloso — quando há a intenção de se cometer o crime — apresentada pelo Ministério Público de Minas Gerais contra o cunhado da apresentadora Ana Hickmann, Gustavo Henrique Bello Correa.

Leia mais

Promotor vai denunciar cunhado de Ana Hickmann por homicídio de fã

Familiares dizem que fã morto de Ana Hickmann era "garoto normal"

"Nunca pensei que o ser humano fosse capaz disso! Foi terrível!", diz Ana Hickmann

Na tarde de 21 de maio, Correa matou Rodrigo Augusto de Pádua, fã da apresentadora que invadiu o quarto de hotel em Belo Horizonte onde a equipe de Hickmann estava hospedada com o objetivo de assassiná-la. O cunhado da apresentadora, agora réu, vai responder pelo crime e, ao final do processo, poderá ir a júri popular.

A denúncia apresentada pelo promotor Francisco de Assis Santiago tem como principal argumentação o fato de Pádua ter sido morto com três tiros na nuca. O inquérito da Polícia Civil apontou morte em legítima defesa e pediu o arquivamento do caso.

Houve luta entre os dois antes de o invasor ser alvejado. Para o MP, no entanto, Correa realmente estava em legítima defesa, mas excedeu essa condição e praticou o homicídio intencionalmente. A denúncia foi apresentada nesta quinta-feira pela promotoria.

Nesta sexta-feira, Ana Hickmann publicou nas redes sociais a palavra "Indignação" e o significado da palavra no dicionário: "revolta", "sentimento de oposição", "de cólera", "provocada por uma circunstância injusta, indigna ou revoltante".

A Polícia Civil informou que não vai se posicionar sobre a denúncia apresentada pela Promotoria. Segundo informações do Fórum Lafayette, a primeira instância de Minas Gerais, foi emitida nesta sexta carta precatória para São Paulo para depoimento de Gustavo Correa, já dentro da fase de instrução do processo. Ao final, após o depoimento de testemunhas e da Polícia Civil, a Justiça decidirá se o acusado vai ou não a júri popular.

*Agência Estado

Colunistas