nsc
    dc

    Varejo 

    Lojas Renner reduzem salários e suspendem contratos de funcionários  

    Medidas atingem os 23 mil trabalhadores da rede, incluindo os que atuam em unidades de SC 

    14/04/2020 - 16h51 - Atualizada em: 14/04/2020 - 16h54

    Compartilhe

    Jean
    Por Jean Laurindo
    Lojas Renner reduziram salários e adotaram também suspensão de contratos
    Lojas Renner reduziram salários e adotaram também suspensão de contratos
    (Foto: )

    As Lojas Renner decidiram aderir a medidas de redução de jornada e salário e também suspensão de contratos autorizada pelo governo federal por causa da pandemia do novo coronavírus. Em nota enviada à imprensa, a empresa informou que adotou duas regras que fazem parte da Medida Provisória 936/2020, do governo federal.

    A primeira é a redução proporcional de 25% da jornada e do salário de 79% da equipe de funcionários. Nesse caso, esse grupo de trabalhadores vai receber 75% do salário e mais um valor de 25% do seguro-desemprego a que teria direito se fosse demitido, pago pelo governo federal.

    A segunda medida, adotada para os outros 21% dos colaboradores, é a suspensão do contrato de trabalho. Nesse caso, esses funcionários não recebem salário por até dois meses. Em vez disso, eles passam a receber o valor integral do seguro-desemprego a que teriam direito caso fossem desligados. Esse valor é pago pelo governo federal.

    As duas medidas atingem os 23 mil trabalhadores da empresa, incluindo funcionários de outras lojas pertencentes à Renner, como Camicado, Youcom e Realize.

    Em site especial, saiba tudo sobre o novo coronavírus

    Em Santa Catarina, são afetados funcionários de 36 lojas do grupo – sendo 18 da Renner, cinco da Camicado e 13 da Youcom.

    Não foram detalhados quais os critérios para definir quem terá o salário reduzido e quem terá o contrato suspenso. As restrições passam a valer a partir de quinta-feira (16). A companhia também está reavaliando investimentos previstos para 2020.

    A redução de salários e a suspensão de contratos foram medidas autorizadas pelo governo federal para companhias que precisaram parar as atividades por conta da crise causada pelo novo coronavírus.

    Nesta segunda-feira, a loja de departamentos Havan foi quem suspendeu os contratos de aproximadamente 11 mil funcionários – cerca de metade do total de colaboradores da empresa.

    Leia também: Painel do Coronavírus mostra os casos confirmados no Estado e escalada de mortes no país

    Deixe seu comentário:

    Últimas notícias

    Loading... Todas de Economia

    Colunistas