O Londrina deu o pontapé inicial do terceiro turno da Série B do Campeonato Brasileiro. O clube que questiona a manutenção do Figueirense enviou pedido de liminar ao Superior Tribunal de Justiça Desportiva solicitando a não homologação dos times rebaixados à terceira divisão. O caso será avaliado por Paulo César Salomão Filho, presidente do STJD.

Continua depois da publicidade

No pedido enviado ao tribunal, assinado pelo escritório de advocacia Paulo Schmitt, o Londrina se vê prejudicado pelo WO do Figueirense, que é classificado no pedido liminar como uma irregularidade da competição. A defesa do clube pede o desconto de três pontos do Alvinegro, que foi punido pelo Pleno do STJD com uma multa de R$ 3 mil e a perda dos pontos em disputa naquele jogo. Na visão dos paranaenses, o Figueira "não perdeu nenhum ponto sequer na competição."

Outro ponto questionado pelo Londrina, e já julgado pelo STJD, é sobre os atrasos salariais do Figueirense. O clube foi absolvido por perda do objeto da ação, mas segundo a defesa paranaense as provas apresentadas não são suficientes. O pedido de liminar argumenta que o documento apresentado ao tribunal foi assinado pelos atletas "muito provavelmente mediante forte coação ou promessas vazias."

O pedido de liminar foi recebido pelo presidente do Superior Tribunal de Justiça Desportiva, Paulo César Salomão Filho. Até o momento, segundo a assessoria do STJD, o presidente não definiu qual será a sequência do caso. Se houver necessidade, o Figueirense será representado pelo advogado Eduardo Carlezzo, que já se mostrou tranquilo sobre os questionamentos dos adversários.

Continua depois da publicidade

Destaques do NSC Total