nsc
    an

    Eleições

    Lula sinaliza que não pretende ser candidato em 2018

    Ex-presidente disse que gostou de governar o país, mas que não tem saudades

    23/10/2015 - 12h41

    Compartilhe

    Por Redação NSC
    (Foto: )

    O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva sinalizou na manhã desta sexta-feira, que não quer ser candidato à Presidência em 2018. Em entrevista à Radio Metropolitana, de Salvador, Lula disse que gostou de ser presidente, mas que não tem saudades.

    - É bom ser presidente, eu gostei, mas gostei porque deu certo. Espero que a gente crie condições de ter outros candidatos. Eu já estou com 70 anos, vou fazer terça-feira. Por mais que eu esteja bem e estou bem, sei que não tenho mais o vigor físico que eu tinha aos 55 anos - disse o ex-presidente.

    Lula diz, em entrevista na BA, que seria desleal pedir o afastamento de Levy

    Em jantar com Dilma, Lula avalia que Levy tem "prazo de validade"

    - Sou muito pragmático em Brasília, sinceramente gostaria que não fosse eu o candidato outra vez. Gostaria que nós tivéssemos uma pessoa mais nova, mais competente. O Brasil precisa de novas lideranças - completou.

    Lula revelou ainda que, no passado, seu plano era que Eduardo Campos - candidato do PSB que morreu em acidente aéreo no ano passado - tivesse sido vice de Dilma na reeleição e fosse sucessor dela em 2018. O ex-presidente não comentou, no entanto, que Campos havia rompido com o PT um ano antes de sua morte.

    - Se tudo tivesse dado certo, como eu pensei, o Eduardo Campos teria sido vice da Dilma e depois ele seria candidato a presidente em 2018. Mas, o rio mudou de curso, não deu certo, vamos preparar agora quem é que está bom para 2018.

    Contrato da Petrobras quitou dívida da campanha de Lula em 2006, diz delator

    Delator diz que pediu ajuda a amigo de Lula por sua relação com Palocci

    Lava-Jato

    O entrevistador Mário Kertész, com quem Lula tem proximidade, perguntou ao ex-presidente o que achava das "tentativas da oposição" de envolvê-lo na operação Lava-Jato. Lula disse que está tranquilo e que considera naturais as ações da oposição.

    - O papel da oposição é tentar matar o seu adversário. Se não posso na política, vou tentar algum outro jeito. Antigamente, se esperava atrás de uma moita e matava.

    - Eles já estão preocupados com 2018, em evitar a possibilidade de o Lula voltar - e eu nunca disse a ninguém que vou voltar - afirmou.

    Com delação de Baiano, Lava-Jato fecha cerco a entorno de Lula

    Delatores afirmam que amigo de Lula acertou propina de US$ 5 milhões

    Lula disse ainda que a oposição pensa que tem que "colocar um monte de bazuca e queimar fogo todo dia nesse baixinho para ele não se meter a besta".

    Lula disse novamente que, apesar do que diga a oposição, o PT não está "morto" e fez uma referência indireta à disputa na capital paulista em 2016, quando o petista Fernando Haddad tentará a reeleição para a Prefeitura.

    - As pessoas são burras de não perceber que cada eleição é uma eleição, cada cidade tem uma história. O cara não vai votar no prefeito pensando na presidenta, não. O cara vai votar no prefeito pensando na sua cidade.

    Leia as últimas notícias

    *Estadão Conteúdo

    Deixe seu comentário:

    Últimas notícias

    Loading... Todas de Política

    Colunistas