nsc
dc

Notícia

Mães e sogras: O que fazer para se ter uma boa convivência

Relação entre filhos e os pais do cônjuge pode ser pacífica

17/04/2010 - 13h50

Compartilhe

Por Redação NSC
Relacionamento envolvendo mães e sogras pode render situações cômicas
Relacionamento envolvendo mães e sogras pode render situações cômicas
(Foto: )

Se as coisas são difíceis para as noras e os genros, quem está do outro lado da história não sofre menos. Segurar o ciúme e aceitar que a felicidade dos filhos não depende mais só delas deixa mães enlouquecidas.

Ingrid, personagem da atriz Natália do Vale na novela Viver a Vida, que o diga. Na trama, ela é do tipo que espera os filhos adultos no sofá da sala a cada noite e sofre horrores com as escolhas amorosas dos rebentos. Mas quem estuda a fundo esse tipo de relação garante: com quase nenhum esforço - e muita paciência - é possível, sim, manter a convivência numa boa mesmo sem morrer de amores pelos amores dos filhos.

De acordo com o psicólogo Thiago de Almeida, a boa convivência familiar não depende só de ir ou não com a cara do sujeito. Aceitar que filhos crescem e são livres para escolher seus próprios parceiros faz parte.

- Quando o filho permite que alguém passe a frequentar a casa dos pais é um sinal de que, para ele, aquele é um relacionamento importante - explica.

- O problema é que para alguns pais assumir um compromisso assim é quase como romper o cordão umbilical de vez, e aí eles se sentem abandonados - completa.

Por isso, o psicólogo avisa: entrar em pânico e querer empurrar o problema para longe não é a solução apropriada. Pedir para que os filhos terminem o relacionamento, por exemplo, não deve nem ser uma alternativa.

- Muitas mães caem no erro de tentar persuadir o filho de que o relacionamento não é apropriado. Isso só trará estresse ao ambiente familiar - conclui.

:: Para os internautas do Rio Grande do Sul: Concorra a ingressos para a peça Mães e Sogras em Porto Alegre

Limite é bom e todo mundo precisa

Faz parte do senso comum a afirmação "o limite de um termina quando começa o do outro". Quando esse outro é alguém muito presente na vida do filho, é bom que esses limites sejam determinados - e respeitados - para garantir a coexistência pacífica. Sendo assim, algumas regrinhas podem ajudar a dosar o relacionamento em casa, de acordo com especialistas.

No entanto, se o visitante passa a ser um incômodo para a família, cabe aos pais o controle da situação.

Na opinião do psicólogo Amélio da Silva, existem maneiras firmes de lidar com inconvenientes. Ser assertivo, usar a educação e a tolerância são dicas importantes.

- Se a casa é dos pais, eles têm o direito de impor algumas regras, mas é preciso que saibam negociar a melhor saída para todos. Afinal, o que está em jogo é a harmonia familiar.

O que fazer?

Existem algumas regrinhas para tornar agradável e harmonioso o convívio entre nora (ou genro) - filho - sogra e, assim, evitar o estresse no ambiente familiar:

:: Normal fazer uma ou outra visita no começo do namoro, mas entrar de vez na vida da família não é uma boa.

:: Passar dias e noites inteiros na casa dos sogros, só depois de alguns meses.

:: Se você vai ficar mais de um dia na casa do namorado, organize uma mala de roupas que seja suficiente e organizada. Pedir roupa emprestada para a sogra ou para a cunhada pode ser desconfortável.

:: Atenção, meninas: manter o banheiro organizado é fundamental. Fique atenta para não esquecer peças de roupas íntimas por lá. Os meninos devem prestar atenção à tampa do vaso levantada.

:: Se o plano é passar a noite, o melhor é que a visita seja no fim de semana. Durante a semana, as pessoas têm compromissos, atrapalha a rotina da casa e até mesmo a do casal, que estuda ou trabalha.

:: Aparecer de camisola ou samba-canção na mesa do café-da-manhã não tem nada a ver. Circular nas áreas comuns da casa, só depois de devidamente vestido.

:: Ser uma sogra receptiva ajuda a deixar de lado o estresse desnecessário. Não custa nada oferecer um café-da-manhã caprichado ou convidar a namorada ou o namorado para um almoço em família. Além de simpático, é uma boa oportunidade para conversar e conhecer melhor a pessoa antes de qualquer julgamento.

:: Se a situação está ruim mesmo, o melhor então é chamar os dois para uma conversa franca. Ficar soltando indiretas pode piorar a situação.

Fonte: Virgínia Gargiulo, especialista em etiqueta

Genro ganhou até apelido de Agostinho Carrara

Histórias de experiências traumáticas com sogra há aos montes. Todo mundo conhece alguém com uma para contar. O estudante de ciência política Pedro Ribeiro, 22, sabe bem disso. Da última sogra, não tem saudades.

- Ela me regulava a comida, ficava dando indiretas e ainda colocava os dois filhos pequenos para ficarem nos vigiando - recorda.

Só que de um ano para cá, desde que começou a frequentar a casa da atual namorada, a também estudante Jéssica, 21, ele deixou de ser regra para virar exceção. A convivência com a família é tão bacana que ele se sente um membro dela.

- Eu adoro tê-lo por perto - garante Herivânia Damata, 45, a sogra.

A intimidade é tanta que já rendeu até apelido.

- Meu filho mais novo começou a chamá-lo de Agostinho Carrara (personagem do programa A Grande Família) porque diz que ele explora a gente e é muito folgado, mas é brincadeira - diverte-se.

Colunistas