nsc
hora_de_sc

publicidade

Educação em Florianópolis

Mais de 70 pais de alunos da escola Anísio Teixeira ainda não regularizaram situação de transferência

Colégio da Costeira do Pirajubaé foi interditado em 24 de maio por problemas na estrutura física 

03/06/2019 - 12h24 - Atualizada em: 03/06/2019 - 12h27

Compartilhe

Caroline
Por Caroline Stinghen
Escola Municipal Anísio Teixeira está interditada desde o dia 24 de maio
Escola Municipal Anísio Teixeira está interditada desde o dia 24 de maio
(Foto: )

Depois de dez dias da interdição da Escola Básica Anísio Teixeira, que fica no bairro Costeira do Pirajubaé, em Florianópolis, ao menos 76 pais de alunos ainda não procuraram a sala de situação, que fica na Escola Municipal Adotiva Liberato Valentim, para informar se já transferiram ou para qual unidade querem que o filho seja realocado. A escola Anísio foi interditada no dia 24 de maio após a Defesa Civil constatar que estrutura física apresentava riscos para os cerca de 500 estudantes e funcionários.

De acordo com a Secretaria de Educação da Capital, a orientação é para que todos os pais de alunos do ensino fundamental da Anísio Teixeira procurem a sala de situação – que se mantém ao longo desta semana – para informarem qual o destino desejado para os filhos.

A suspeita é de que os pais destes cerca de 70 alunos já tenham feito a transferência por conta para outras escolas e até instituições particulares. Mesmo assim é necessário avisar pessoalmente na sala de situação que está na Adotiva Liberato. A partir desta semana, a secretaria realiza um pente-fino para procurar por estes pais via telefone.

A prefeitura realocou os demais alunos para 22 unidades educacionais diferentes. Todos os estudantes têm vagas garantidas.

Para onde foram os estudantes?

Os 440 alunos do ensino fundamental:

Escola Básica Municipal Adotiva Liberato Valentim (Costeira do Pirajubaé)

- Escola Básica Estadual Júlio da Costa Neves (Costeria do Pirajubaé)

- Escola Básica Estadual Ildefonso Linhares (Carianos)

- Escola Básica Estadual Getúlio Vargas (Saco dos Limões)

- Escola Básica Estadual Jurema Cavallazzi (José Mendes)

- Escola Básica Municipal José do Valle Pereira (João Paulo)

- Escola Básica Estadual Porto do Rio Tavares (Rio Tavares)

- Escola Básica Municipal João Alfredo Rohr (Córrego Grande)

- Escola Básica Municipal almirante Carvalhal (Coqueiros)

- Escola Básica Estadual Tenente Almachio (Tapera)

- Escola Básica Municipal Dilma Lúcia dos Santos (Armação do Pântano do Sul)

- Escola Básica Estadual Lauro Muller (Centro)

- Escola Básica Municipal João Gonçalves Pinheiro (Rio Tavares)

- Escola Básica Estadual Simao Jose Hess (Trindade)

- Escola Básica Municipal Batista Pereira (Alto Ribeirão)

- Escola Básica Municipal Beatriz de Souza Brito (Pantanal)

- Instituto Estadual de Educação (Centro).

44 crianças da educação infantil:

- 28 delas foram para o Neim Hassis (Costeira)

- As demais para os Neims Monsenhor Frederico Hobold (Costeira), Zilda Arns Neumann (Carianos), Costeira do Pirajubaé (Costeira) e Creche Crescer - conveniada (Costeira).

113 da Educação de Jovens, Adultos e Idosos:

- Escola Básica Municipal Adotiva Liberato Valentim (Costeira).

Vale-transporte

Os vales-transportes começaram a ser entregues na sexta-feira (31) na sala de situação da Adotiva Liberato. Cerca de 100 famílias já foram até a unidade para buscar o benefício.

Para retirá-los, o responsável pelo aluno deve levar os seguintes documentos: comprovante de residência e um documento de identificação (com foto).

Aula em auditório

A Adotiva recebeu a maior quantidade de alunos transferidos. Pelo menos mais de 120 adolescentes já possuem aulas normais na nova escola desde a semana passada. De acordo com a secretaria de Educação, eles se juntaram aos estudantes de turmas já existentes e duas turmas do 5º ano estão tendo aulas no auditório. A opção de construir salas modulares não avançou.

Relembre

Desde novembro do ano passado que a escola Anísio Teixeira sofre com problemas estruturais mais sérios. O colégio tem rachaduras em paredes e vigas, e até o chão de uma das salas do bloco 2 chegou a ceder.

Até o momento, ainda não há uma causa definida para os problemas. A única confirmação é que, ao menos o bloco 2, precisará ser completamente demolido. Engenheiros e um geólogo trabalham no local.

Deixe seu comentário:

publicidade

publicidade

publicidade

publicidade