nsc
dc

PMF

Mais de cem projetos oferecem inclusão social pelo esporte em todas as regiões de Florianópolis

Cerca de oito mil crianças e adolescentes são atendidos por projetos comunitários que promovem a saúde e a integração na capital

16/11/2021 - 09h22 - Atualizada em: 16/11/2021 - 09h30

Compartilhe

Estúdio
Por Estúdio NSC
esporte PMF
PMF tem o esporte como ferramenta de transformação social
(Foto: )

Os projetos sociais esportivos criados e mantidos pela Secretaria de Cultura, Esporte e Lazer (Secult) e pela Prefeitura Municipal estão a todo vapor. Já são mais de cem ações que atendem em torno de oito mil crianças e adolescentes de todas as regiões da cidade.

Esses projetos surgiram com o objetivo principal de incentivar a prática esportiva como forma de promover a saúde, estimulando a criação de hábitos saudáveis, favorecer a inclusão e a justiça social e, quem sabe, descobrir possíveis talentos esportivos.

Para a Secretaria de Cultura, Esporte e Lazer da capital, “bastam ideias, boa vontade e bastante esforço da nossa parte. O avanço social que conseguimos com a aprovação desses projetos sociais em prol das crianças de comunidades é, sem dúvida, o melhor caminho para um futuro digno”.

As crianças e os adolescentes são atendidos no contraturno escolar e têm acesso a cerca de 20 modalidades esportivas, entre elas, vôlei, futebol, futsal, ginástica rítmica, ginástica artística, xadrez, remo, artes marciais, handebol, tênis de mesa, tênis, natação, beach tennis, futevôlei, surfe e capoeira.

Protagonistas do próprio desenvolvimento

A prática esportiva surge tanto como ferramenta para construção de hábitos de vida mais saudáveis quanto para incentivar a interação com colegas, o respeito às regras, para ensinar a importância do trabalho em equipe e, ainda, descobrir e desenvolver talentos esportivos, como o pequeno Zion Gabriel Cavalcante, de dez anos.

Zion é um dos estudantes da rede pública de Florianópolis que participam do Projeto IBBC (Instituto Baby Basquetebol Cidadania). O garoto fala como gente grande quando o assunto é o basquete.

— O esporte significa muito pra mim. Depois que eu entrei no esporte eu fiquei muito forte e comecei a me inspirar em grandes atletas. Eu gosto tanto de basquete que se eu não estivesse no projeto eu estaria em casa assistindo jogos pela televisão. Mas eu prefiro estar treinando na quadra, com certeza — afirma.

O IBBC oferece escolinha gratuita de basquete e conta com o apoio do curso de Educação Física da Udesc, da Fundação Municipal de Esportes, e da Federação Catarinense de Basketball, entre outros.

Outro jovem revelado em projetos sociais é Carlos Eduardo Martins que, com apenas 15 anos, está construindo carreira no atletismo e já tem em seu currículo resultados importantes em provas de 400 metros, e, hoje, detém a 12ª menor tempo do Brasil.

Carlos começou a treinar para provas de atletismo movido pela vontade de praticar um esporte, mas sem grandes pretensões profissionais. A adoração pela corrida fez com que o jovem passasse a ter desempenho cada vez melhor, chamando a atenção da professora Ana Cláudia Rodrigues. Para ela, Carlos Eduardo é uma das grandes revelações do atletismo nacional, e uma aposta do esporte.

— O projeto serve também para descobrir novos talentos. Eu sou um exemplo, pois comecei minha trajetória em projeto social e segui carreira no atletismo. E o Carlos Eduardo vem nessa crescente do esporte e dos jovens que hoje estão mais ávidos pelos esportes de rua — explica Ana.

O horário de cada projeto varia de acordo com as possibilidades do local, dos professores / treinadores e das crianças e adolescentes. Durante a pandemia, as atividades acontecem com um número menor de alunos por turma, respeitando todos os protocolos de segurança.

Todos os projetos são gratuitos e, para participar, é preciso que os responsáveis pela criança ou adolescente interessado entre em contato diretamente com o projeto escolhido pelas redes sociais ou na administração da Secretaria de Cultura, Esporte e Lazer, localizada no Complexo da Passarela Nego Quirido, no Centro de Florianópolis.

Colunistas