nsc
an

Opinião

Mário Sant'Ana: Profissionais e empresas precisam se adaptar ao novo dia

Escritor comenta sobre a adaptação de companhias e profissionais na atualidade

28/09/2021 - 11h43 - Atualizada em: 28/09/2021 - 12h10

Compartilhe

Redação
Por Redação AN
reunião
Executivo Marcus Mucciolo com estudantes apoiados pelo Projeto Resgate
(Foto: )

*Artigo por Mário Sant'Ana

Vivemos tempos complexos. Cada indivíduo faz escolhas que se combinam às dos outros do grupo do qual participa. A síntese disso interagirá com as produzidas em outros grupos. O que resultar dessas trocas voltará aos indivíduos, que reagirão por meio de escolhas, realimentando o ciclo. Muitos desses grupos se fazem, se desfazem e se interconectam sem nenhuma cerimônia ou lógica específica. São relações que apenas acontecem e deixam de acontecer. Gente é sinônimo de complexidade. Sempre foi assim. Atualmente, porém, isso tem sido intensificado pela tecnologia como nunca antes.

​> Acesse para receber notícias de Joinville e região pelo WhatsApp

O novaiorquino Abraham Harold Maslow estudou e hierarquizou as necessidades humanas em um modelo conhecido como Pirâmide de Maslow. Foi uma tentativa de entender ou pelo menos explicar a complexidade humana. 

A goiana Cora Coralina, por sua vez, ensinou o que aprendeu na vida: “Na prática, a teoria é outra.” A pirâmide teórica de Maslow e suas divisões nem sempre correspondem, na prática, às estruturas socioeconômicas. Pessoas destituídas do básico também querem respeito, reconhecimento e sonham com um mundo mais justo. Sempre foi assim. Atualmente, porém, isso tem sido intensificado pela tecnologia como nunca antes.

A mídia e o franco acesso às redes sociais multiplicaram a quantidade e a força dessas expectativas, que raramente são satisfeitas. As insatisfações compostas produzem respostas emocionais que influenciam as escolhas e suas dinâmicas (descritas brevemente no primeiro parágrafo), com desdobramentos, na saúde, na política e no mercado. As emoções influenciam nosso bem-estar, como votamos e como negociamos. Sempre foi assim. Atualmente, porém, isso tem sido intensificado pela tecnologia como nunca antes.

Esse contexto tem exigido de profissionais e empresas uma responsividade sem precedentes. Os modelos de negócio, que ao longo de décadas se criaram e prosperaram privilegiando produtos, serviços e sistemas, precisam ser rapidamente repensados. É o momento de colocar no centro o ser humano, seja cliente, fornecedor, empregado, ou aspirantes a essas posições.

Autores, gurus de comportamento e palestrantes tentam entender ou pelo menos explicar esse novo ambiente, mas não é fácil. “Coração é terra que ninguém vê” — esclarece a sábia de Goiás. E é no nível emocional que se encontra o cerne do desafio de formar e engajar uma equipe para gerar resultados. Sim, a entrega de resultados continua um imperativo. Sempre foi assim. Atualmente, porém, isso tem sido intensificado pela tecnologia como nunca antes.

Inspirar, cativar, entender a outra pessoa, permitir-se conhecer e construir laços de confiança são práticas a serem desenvolvidas por quem já entendeu que a cooperação pode nos levar a lugares sobre os quais a simples hierarquia sequer ouviu falar. 

Para chegar aos novos e disputados objetivos concretos, líderes de todos os níveis precisarão aprender na prática a navegar os mares da subjetividade, como explica a ilustre filha de Goiás Velho: “O saber se aprende com os mestres. A sabedoria, só com o corriqueiro da vida.” Todavia, acostumados ao conforto da passividade proporcionada pelo sistema de ensino, muitos têm dificuldade de ativamente inferir lições do dia a dia. 

Para responder a esse e outros desafios, foi lançado em 2016 o Think Tank Projeto Resgate. Os participantes desse programa adquirem habilidades de liderança não hierárquica e inovação entre setores, enquanto resolvem problemas de relevância para a sociedade. Aprendem, na prática, com o corriqueiro da vida.

Em um mesmo movimento, desenvolvem soft skills, adicionam propósito à vida, geram impacto social e constroem os modelos mentais para a solução de problemas complexos (como os que envolvem escolhas humanas). 

Ao longo deste ano, 265 pessoas entre estudantes, líderes táticos e estratégicos têm trabalhado em equipes plurais para atrair jovens para o empreendedorismo. O tema para próxima edição é Transformação Digital. O desafio é promover comportamentos que maximizem os ganhos socioeconômicos que a tecnologia pode trazer e minorem seus efeitos adversos. 

“Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina.” – Cora Coralina (1889 a 1985) Um dos mais importantes nomes da literatura brasileira, publicou seu primeiro livro aos 76 anos. "Mulher simples, doceira de profissão, tendo vivido longe dos grandes centros urbanos, alheia a modismos literários, produziu uma obra poética rica em motivos do cotidiano do interior brasileiro, em particular dos becos e ruas históricas de Goiás."

Saiba mais sobre o Think Tank Projeto Resgate em https://bit.ly/TT2022-LinkedIn

escritor
Mário Sant'Ana escreve no AN às terças
(Foto: )

*Mário Sant’Ana é tradudor e intérprete, cofundador do Projeto Resgate, organização com ações para reduzir contrastes sociais, e co-idealizador do programa Think Tanks Projeto Resgate, para o desenvolvimento de habilidades de inovação intersetorial, soft skills e liderança não hierárquica. Escreve artigos para o A Notícia às terças-feiras. Contato: mario@projetoresgate.org.br

Leia também:

Espelho d’água em Joinville entra em lista de projetos entregue ao Estado

Prefeitura esclarece vídeo de aglomeração em ponto de vacinação em Joinville

Joinville prepara mais estratégias para atrair quem ainda não se vacinou contra Covid

Colunistas