nsc
    dc

    Avanço na Medicina

    Medicamento para colesterol está sendo estudado para prevenir infarto

    As estatinas, substâncias com ação anti-inflamatória, já estão sendo indicadas para alguns pacientes

    28/08/2015 - 13h40

    Compartilhe

    Por Redação NSC
    (Foto: )

    Duas instituições brasileiras estão estudando um possível avanço para prevenir complicações cardíacas por meio de substâncias utilizadas para controlar o colesterol - as estatinas. Pesquisadores do Hospital do Coração (HCor) e do Instituto Brasileiro de Pesquisa Clínica (BCRI) acreditam que a propriedade anti-inflamatória do medicamento pode ajudar a evitar a formação de coágulos.

    A equipe já antecipa a indicação do remédio, utilizando-o em pessoas que chegam a hospitais em fase de ataque cardíaco e não apenas quando o paciente recebe alta. Iniciado há pouco mais de um ano, o Secure - como foi batizado o estudo - já está acompanhando dois mil pacientes que foram atendidos em 50 hospitais públicos e particulares do país. Nos próximos dois anos, outros 2,2 mil devem ser avaliados para verificar os benefícios da substância.

    Porto Alegre tem maior taxa de pessoas com pressão alta do país

    A hipertensão também pode prejudicar o cérebro, os rins e os olhos

    - É um estudo com bastante influência para a área clínica, já que hoje, a principal causa de morte no mundo são as doenças cardiovasculares - explica Otávio Berwanger, diretor do Instituto de Pesquisa do Hcor e presidente do comitê diretivo do estudo.

    O especialista acrescenta que o infarto é vilão entre esses problemas. O popular ataque cardíaco é mais comum nas classes sociais menos favorecidas e isso é uma tendência global, visto que 80% dos óbitos no mundo por doenças cardiovasculares ocorrem nos países em desenvolvimento.

    Das medicações de prevenção cardiovascular, a mais importante é a estatina. Pesquisas em escala menor feitas nos Estados Unidos, na Europa e no Japão já mostraram os benefícios da substância para a proteção do coração e das artérias. Além disso, outros levantamento sugerem também que as estatinas têm outras influências positivas como propriedades anti-inflamatórias potentes.

    - As substância também podem prevenir a formação de coágulos, porque há grande atividade inflamatória dentro dos vasos do coração quando o indivíduo está enfartando - ressalta Berwanger.

    Segundo o especialista, o medicamento pode ainda tornar a angioplastia e a colocação do stent - tubo introduzido em artérias entupidas para a normalização do fluxo sanguíneo - mais seguras, pois ao proteger os vasos sanguíneos, pode evitar lesões que podem ser causadas pelo procedimento.

    Vitamina C ajuda a reduzir risco de doenças cardiovasculares e morte prematura

    Estudo associa chocolate a menor risco cardiovascular

    O resultado da pesquisa pode, no futuro, alterar a forma de atendimento a pacientes que chegam em hospitais tendo um ataque cardíaco. Isso porque o estudo também é feito em parceria com o Programa de Desenvolvimento Institucional do Sistema Único de Saúde (PROADI-SUS), do Ministério da Saúde.

    - Acho possível que haja uma mudança na forma de atender o paciente que está tendo um infarto, porque essa parceria com o Ministério da Saúde se dá justamente por questões de interesse público - explica o especialista, ao ressaltar que a iniciativa não elevaria de forma relevante os custos do tratamento no SUS.

    A equipe acredita que o Secure coloca o Brasil em posição importante na área de pesquisas para doenças cardiovasculares, visto que, historicamente, o país costuma atuar apenas como coadjuvante em projetos de outros países.

    *Agência Estado

    Leia mais notícias sobre saúde e bem-estar

    Deixe seu comentário:

    Últimas notícias

    Loading... Todas de Saúde

    Colunistas