nsc

publicidade

Clínica Reichow apresenta

Medicina nuclear: entenda como ela pode ser aliada dos tratamentos de câncer 

Tratamentos e diagnósticos de doenças são feitos com mais precisão e eficácia com recursos tecnológicos fornecidos por esse ramo da medicina 

27/08/2019 - 09h36 - Atualizada em: 27/08/2019 - 13h09

Compartilhe

Estúdio
Por Estúdio NSC
Medicina nuclear: entenda como ela pode ser aliada dos tratamentos de câncer
(Foto: )

O nome “medicina nuclear” pode causar estranheza ou receio, mas esta é uma das especialidades médicas mais importantes para o diagnóstico e tratamento de determinados tipos de câncer. De acordo com o médico nuclear Fábio Peroba Esteves, da Clínica Reichow, de Blumenau, apesar de ter esse nome por utilizar materiais radioativos, as quantidades são mínimas e os resultados obtidos se destacam em relação a outros métodos tradicionais.

Segundo Esteves, a medicina nuclear já é aplicada há cerca de 60 anos em todo o mundo, sendo um dos tratamentos mais conhecidos o de câncer de tireóide, que utiliza como substância o iodo. Porém, nos últimos anos, a especialidade vem crescendo graças aos avanços tecnológicos, que permitem utilizar materiais radioativos para outras finalidades e com cada vez mais segurança.

Para o diagnóstico de doenças, existem dois tipos de exames nessa área. O mais comum é a cintilografia, que utiliza gama câmaras para detectar tumores nos ossos e problemas no coração, pulmão, rins, estômago e tireoide.

— Enquanto as tomografias se baseiam na análise da anatomia, as cintilografias trabalham com a fisiologia, identificando tecidos ou órgãos internos, atuando de uma forma mais abrangente — explica.

Outro exame da medicina nuclear é o Pet Scan, um tipo de tomografia computadorizada que utiliza radiação para diagnosticar doenças de forma mais precoce. Conforme Esteves, atualmente, apenas cerca de 120 clínicas têm o equipamento no país. Destas, somente 30, incluindo a Clínica Reichow, utilizam o gálio como substância radioativa durante o exame, um dos mais avançados e seguros.

Esteves fez a residência médica na Universidade de Emory, em Atlanta, nos Estados Unidos, e durante 10 anos atuou como professor da universidade na área de medicina nuclear. Ele conta que acompanhou o momento em que a tecnologia do Pet Scan começou a ser utilizada no país norte-americano, há alguns anos, e garante que é o que há de mais avançado no diagnóstico e tratamento de diversos tipos de câncer.

— O Pet Scan permite fazer um diagnóstico precoce, com mais chances de cura. Também há o benefício de saber o estágio da doença e evitar que o paciente faça cirurgia ou se submeta a tratamentos que não terão resultado. Depois de iniciado o tratamento, o exame também aponta se está ele sendo eficaz, isso de forma rápida, sendo possível mudar a terapia se necessário — explica o médico.

Medicina nuclear acelera tratamento de doenças

Já para o tratamento de doenças, a medicina nuclear utiliza radiofármacos, que são combinação do elemento físico radioativo e do elemento químico produzido pela indústria farmacêutica. Conforme Esteves, pela eficácia, são conhecidas como terapias de precisão ou terapias inteligentes, pois o material acumula somente nos locais onde há doença, com menos efeitos colaterais.

— No câncer de tireóide, o mais conhecido, o paciente ingere o iodo e o material radioativo vai se acumular quase que exclusivamente onde a doença se encontra. Também é um tratamento muito utilizado em tumores neuroendócrinos, que podem acontecer em vários órgãos, sendo o mais conhecido o sistema digestivo. Neste caso, a substância atinge diretamente a membrana da célula — explica.

Em diagnóstico de metástase de câncer de próstata, por exemplo, quando o tumor se espalha para os ossos, o tratamento radioativo também é eficaz para atingir de maneira mais intensa só a parte afetada pela doença. Segundo o médico, apesar de não ser curativo, mas paliativo, isso faz com que a doença tenha uma progressão mais lenta ou até mesmo evita a progressão, reduzindo a dor óssea nos paciente e a chance de fraturas.

Atualmente, os diagnósticos e tratamentos com substâncias radioativas são administrados por clínicas particulares, públicas ou híbridas, como no caso da clínica Reichow, que atende pacientes particulares, com convênios e também pelo Sistema único de Saúde (SUS).

Conforme o médico, os pacientes costumam ser encaminhados pelos médicos especialistas que já os acompanham, como oncologistas, cardiologistas, pneumologistas, gastroenterologistas, endocrinologistas ou outra especialidade cuja eficácia dos exames e tratamentos da medicina nuclear já são conhecidas.

Medicina Nuclear
(Foto: )

Riscos dos tratamentos com medicina nuclear

Apesar de serem tratamentos já consolidados, principalmente nos Estados Unidos e Europa, no Brasil ainda há desconhecimento em relação aos riscos.

— Como é material radioativo, sempre existe risco, mas são maiores para os profissionais de saúde. Para os pacientes, só há preocupação no caso de efeito cumulativo, caso sejam feitos exames frequentes. Já quem trabalha diretamente é monitorado periodicamente, através de equipamentos de medição, que são exigência dos órgãos de fiscalização — explica o médico.

Já em relação ao meio ambiente, Esteves afirma que todo material radioativo fica armazenado até que atinja níveis semelhantes aos já encontrados normalmente na natureza.

— A clínica já foi construída para armazenar o material residual que pode sobrar do tratamento. Na natureza existe radiação, mas em níveis baixos, então o material só é descartado quando os aparelhos de medição indicam doses adequadas — diz.

Assim, conforme o médico, apesar do receio que ainda existe em relação aos exames e tratamentos, a medicina nuclear é eficaz e segura, sendo que ainda deve crescer muito no Brasil.

— Nos Estados Unidos eu acompanhei praticamente desde o começo do Pet Scan e é possível conseguir muitos resultados positivos. Mesmo quando já há metástase ou não é possível chegar à cura, evitar tratamentos desnecessários ou buscar outros mais eficazes traz uma significativa melhora na qualidade de vida do paciente, que nestes casos é o mais importante — comenta Esteves.

Para conhecer mais sobre os tratamentos oferecidos pela Clínica Reichow, em Blumenau, acesse o site da instituição.

Deixe seu comentário:

publicidade