publicidade

Educação
Navegue por

Educação inclusiva

Menino de sete anos tem vida transformada após iniciativa de inclusão em escola de Joinville

Deivid Rauan de Lima nasceu com deficiência auditiva e tinha dificuldade em se comunicar

15/02/2019 - 08h35 - Atualizada em: 15/02/2019 - 08h32

Compartilhe

Patrícia
Por Patrícia Della Justina
Jaqueline Aparecida, mãe de Deivid Rauan, teve de se adaptar à deficiência do filho
(Foto: )

Deivid Rauan de Lima tem sete anos e, desde que nasceu, possui deficiência auditiva profunda. A mãe, Jaqueline Aparecida Inácio, tem outros dois filhos: uma de dez e um de 14 anos. Ela lembra que quando ele nasceu, a família não esperava pela notícia.

– Nós não estávamos preparados e levamos um susto ao descobrir. Mesmo mais tarde, com o aparelho auditivo e consultas com fonoaudióloga, não conseguíamos resultados – diz.

Ela detalha que, por não conseguir comunicação clara, Deivid acabava se expressando de forma agressiva com as pessoas. A família tomou algumas medidas: adaptaram a casa, Jaqueline e a filha de dez anos fizeram cursos de Libras, ensinavam os aprendizados ao irmão mais velho e ao pai de Deivid, mas, mesmo assim, as tentativas de comunicação não surtiam efeito.

Foi quando Jaqueline soube do ensino bilíngue oferecido pelo projeto piloto da unidade escolar e matriculou Deivid, em meados de 2018.

– Mudou completamente. Hoje ele não é agressivo e nós conseguimos nos comunicar. Ele ama ir à escola e pede para ir, inclusive, aos fins de semana. Todos os dias ele nos conta sorridente o que aprendeu com os amigos e professores.

Deivid e os amigos também têm acesso a atividades em conjunto com os alunos ouvintes. Eles são divididos em dois grupos, separados por idades. Enquanto um tem aulas de alfabetização em português e matemática com a professora Maria Fabiane Souza – que é ouvinte e domina Libras – o outro grupo aprende ciências, geografia e história com a professora Talita Nunes – que é surda desde os dois anos de idade, depois de ter contraído meningite.

- Eles precisam de muita experimentação. Para aprender sobre plantas, por exemplo, eles precisam plantar, cuidar de uma planta, sair da sala para aprender o conteúdo. Então acabamos tendo muitas aulas ao ar livre e desenvolvendo atividades que permitem a visualização – ilustra a professora Maria Fabiane.

Crianças, funcionários e pais de alunos têm acesso à Lingua Brasileira de Sinais na escola
Crianças, funcionários e pais de alunos têm acesso à Lingua Brasileira de Sinais na escola
(Foto: )

Com o auxílio de intérpretes, a professora Talita conta como percebe o desenvolvimento das crianças as quais ela acompanha desde o ano passado.

– No começo era muito difícil porque elas não sabiam Libras. Então começamos, aos poucos, a ensinar elas e os pais, já que é tão importante aprimorar a comunicação em casa também. Hoje é visível o desenvolvimento delas.

Um exemplo disso era enquanto a equipe do AN conversava com as professoras. Todas as crianças riam, brincavam e interagiam entre si ininterruptamente.

Talita também relata que sempre teve muita dificuldade durante a infância e adolescência por conta da surdez. Ela começou a ter mais contato com o idioma quando já estava na faculdade. Hoje, tanto ela, quanto a mãe de Deivid, e a professora Maria Fabiane desejam o mesmo.

Todas são unanimes ao destacar a importância do ensino tanto para estudantes ouvintes, quanto para quem possui a deficiência, para que o acesso à comunicação facilite os caminhos até a fase adulta e que atividades como conversar com quem espera pelo mesmo ônibus, fazer comprar no supermercado, ou pedir informações na rua, não sejam atividades tão difíceis ao longo da vida.

Deixe seu comentário:

publicidade

Navegue por
© 2018 NSC Comunicação
Navegue por
© 2018 NSC Comunicação