A Polícia Federal vai chamar o ministro do Trabalho, Manoel Dias, para depor em inquérito que investiga desvio de verbas do ministério para o PDT. A decisão foi tomada após John Sievers Dias, ex-dirigente do diretório pedetista em Santa Catarina, confirmar em depoimento o teor de entrevista concedida em setembro ao jornal ‘O Estado de S.Paulo’. O ex-dirigente disse que Manoel Dias montou um esquema para que funcionários do partido recebessem, sem trabalhar, salários de uma entidade que mantinha convênios com a pasta.

Continua depois da publicidade

Na delegacia da Polícia Federal em Itajaí (SC), Sievers reiterou na semana passada ter sido chamado por Dias, ou “Maneca”, a uma reunião em 2008. No encontro, conforme o depoimento, o agora ministro acertou com representantes da Agência de Desenvolvimento do Vale do Rio Tijucas e Rio Itajaí Mirim (ADRVale) pagamentos mensais pelos serviços que Sievers prestava, na prática, à Universidade Leonel Brizola, braço do partido para a formação de militantes. Na época, Dias presidia o PDT-SC, era secretário-geral da sigla e comandava a universidade.

Sievers entregou cópias de extratos bancários aos investigadores. Segundo o ex-dirigente, duas transferências de R$ 1,3 mil cada foram feitas pela ADRVale – que mantinha convênios com o Ministério do Trabalho. Em outras duas ocasiões, o dinheiro lhe teria sido entregue pelo próprio Dias.

Procurado pela reportagem neste domingo, 26, o ex-dirigente do PDT em Santa Catarina confirmou as declarações à Polícia Federal: “Repeti lá o que havia dito antes”. Questionado pela reportagem ontem, 25, Dias disse “jamais” ter feito acerto para que pedetistas recebessem pela agência. Ele não quis fazer mais comentários a respeito.

:: Foro

Continua depois da publicidade

A PF já identificou outros dois supostos funcionários fantasmas da entidade, que pretende ouvir nas próximas semanas. Por ser ministro, Dias tem foro privilegiado e não é obrigado a prestar o depoimento no inquérito que corre em Itajaí. Ele só pode ser investigado com autorização do Supremo Tribunal Federal. A PF aposta, no entanto, que o ministro do Trabalho não vai se recusar a colaborar com as investigações.

A partir dos novos depoimentos, o delegado Annibal Gaya, que conduz o inquérito, decidirá se pede à Justiça Federal que remeta o caso ao STF para investigação específica sobre o ministro. Além da folha de fantasmas, o inquérito apura outras irregularidades na execução de convênios pela ADRVale.

O Trabalho firmou seis parcerias com a entidade, que era dirigida por pedetistas, repassando R$ 11,3 milhões. Todas são do período em que Carlos Lupi (PDT-RJ), aliado de Dias, comandava a pasta. Lupi deixou o cargo em 2011 em meio a suspeitas de corrupção no ministério, durante a “faxina” da presidente Dilma Rousseff. Dias foi nomeado no início do ano passado, numa costura para manter o partido na aliança de Dilma em sua campanha à reeleição, este ano.

Uma auditoria da Controladoria-Geral da União (CGU), revelada pela reportagem, diz que a ADRVale repassou dinheiro a pelo menos 55 militantes do PDT sem comprovar se, de fato, eles prestaram serviços à entidade. Ao menos 17 são ou eram filiados ao partido em Santa Catarina. Entre eles, constam auxiliares de Dias no Trabalho. A ADRVale nega irregularidades. De acordo com a entidade, os contratados para a execução dos convênios trabalharam, de fato, tendo ou não vínculo partidário.

Continua depois da publicidade

Destaques do NSC Total