nsc
an

publicidade

Economia

Moinho Joinville é vendido para a Fiesc

Contrato de aquisição do espaço pelo SESI foi assinado nesta segunda-feira em São Paulo

15/07/2019 - 17h48 - Atualizada em: 02/08/2019 - 14h37

Compartilhe

Luan
Por Luan Martendal
Moinho Joinville é comprado pela Fiesc
Moinho Joinville é comprado pela Fiesc
(Foto: )

A Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina (Fiesc) anunciou a compra do Moinho Joinville, prédio histórico estava desativado desde 2013 na região central da cidade. O contrato de aquisição foi assinado pelo presidente da Fiesc, Mario Cezar de Aguiar, na tarde desta segunda-feira (15), em São Paulo.

O valor investido no imóvel é de R$ 12,8 milhões, com recursos próprios do Sistema Fiesc, e contempla o terreno de 53 mil metros quadrados e o edifício de 19 mil metros de área construída às margens do rio Cachoeira.

O local faz parte da história de Joinville. Inaugurado em 1913, é tido como um dos símbolos do progresso da cidade no século XX, e abrigava o moinho da Bunge até ser fechado há seis anos. A aquisição por parte da Fiesc põe fim às incertezas quanto ao futuro do edifício.

O próximo passo será conversar com os industriais para alinhar tudo aquilo que será feito no local para depois contratar o projeto. Toda o complexo será utilizado e as áreas que são tombadas passarão por restauração.

Segundo Aguiar, ainda não há uma previsão de quanto será investido nas obras porque isso depende do projeto. No entanto, a ideia é começar as intervenções já em 2020. A revitalização do espaço será realizada pelo SESI.

— Vamos ouvir as demandas das lideranças locais, mas inicialmente a federação prevê a implantação de um centro educacional (do ensino básico ao superior); centro de inovação; centro de capacitação empresarial e industrial, além do Museu da Indústria no endereço — aponta Mario Cezar de Aguiar.

Ainda conforme o presidente da Fiesc, o projeto está em linha com a estratégia do município de revitalizar a área central da cidade, aumenta a presença da federação no polo industrial, e valoriza a história da cidade e da indústria catarinense.

— Joinville tem a maior participação econômica industrial de Santa Catarina e o que estamos promovendo hoje é um resgate histórico não só para a cidade, mas também para a indústria de Santa Catarina. Ao mesmo tempo em que estamos reafirmando um legado da cidade, estamos projetando um centro de referência em desenvolvimento industrial – elo entre passado e futuro – por meio da inovação —, justifica Aguiar.

Segundo Mario Cezar, a negociação com a Bunge foi rápida. A compra foi alinhada há cerca de 20 dias, a partir do interesse da Fiesc em adquirir o prédio, e concluída na tarde desta segunda-feira com a assinatura do contrato.

História centenária

Inaugurado em 1913 em um terreno de 52 mil metros quadrados as margens do rio Cachoeira, o patrimônio guarda grande valor histórico e mantém característica arquitetônica única na região central de Joinville. À época intitulado Moinho do Boa Vista, o empreendimento de cinco pavimentos (passou a ter seis nos anos 1990) foi um dos símbolos do desenvolvimento da cidade.

Em suas primeiras décadas, o moinho representava o progresso em meio a uma Joinville ainda no caminho da industrialização, e chegou a ser usado como porto, tendo 40% de participação na moagem de trigo em Santa Catarina no auge de suas operações.

Considerado "uma joia rara", pelas palavras do historiador joinvilense Cristiano Abrantes, devido a ser um dos únicos poucos exemplares do gênero no Brasil, a edificação centenária é comparada apenas aos também remanescentes Moinho Fluminense, no Rio de Janeiro, e Moinho Recife, em Pernambuco. Os demais foram demolidos ao longo da história.

E que história! Criado a partir de um projeto da Companhia Industrial Catarinense, dos empresários Abdon Batista, Oscar Schneider e Domingos Rodrigues da Nova, a construção do moinho começou em 1909 e durou cerca de três anos, atraindo todos os olhares como a mais alta edificação joinvilense no período.

Menos de dez anos depois, em 1922, o Grupo Mercantil Brasileiro S.A. (Umbra) adquiriu o Moinho Boa Vista. Em 1943, o prédio foi vendido novamente, desta vez para a S.A. Moinhos Rio-Grandenses (Samrig), que mudou o nome da empresa para Moinho Rio Grandense. Em 1977, a S.A. Moinho Santista arrendou o prédio e assumiu as atividades.

Em 2002, a S.A. Moinho Santista se uniu a empresa Ceval, mudando de nome para Bunge e dominando o mercado de processamento de soja. Foi neste ano que o prédio ganhou o nome Moinho Joinville. A Bunge atuou em Joinville durante dez anos e, desde quando anunciou o fim das atividades na cidade o futuro do prédio era incerto.

Desde então foram cogitadas diversas destinações para a área, como a criação de um complexo cultural, a oferta do imóvel no mercado em 2016, além de uma tentativa de leiloá-lo em 2018. Nada havia avançado até está segunda-feira, quando a compra da edificação foi confirmada pela Fiesc. Agora, de fato, avista-se no horizonte uma retomada para este, que é um marco histórico do perfil industrial de Joinville.

Patrimônio Cultural de Joinville

Importante herança histórica de Santa Catarina, o prédio onde funcionou o Moinho Joinville está em fase final do processo de tombamento como Patrimônio Cultural de Joinville. A informação é da Secretaria de Cultura e Turismo (Secult). Segundo a Prefeitura de Joinville, após várias avaliações e parecer favorável pela Comissão do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Natural do Município de Joinville (COMPHAAN), em 2018 foi emitido comunicado oficial à Secult, que iniciou o processo que culminará com a edição de decreto de tombamento. A COMPHAAN é formada por 18 representantes do poder público e entidades da sociedade civil.

Deixe seu comentário:

Últimas notícias

Loading interface... Todas de Economia

publicidade

Colunistas

    publicidade

    publicidade

    publicidade